Ela era princesa, filha de reis de um antigo império rico e exuberante. O reino vivia tempos de glória. Fortuna e beleza física eram motiv...

Música, mito e constelação

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana germano romero mitologia augusta holmes poema sinfonico andromeda constelação musica erudita francesa
Ela era princesa, filha de reis de um antigo império rico e exuberante. O reino vivia tempos de glória. Fortuna e beleza física eram motivos de cobiça, inveja, e a vaidosa rainha orgulhava-se ostensivamente de sua própria formosura.

No início do poema sinfônico que narra esta saga, a compositora francesa Augusta Holmès introduz solenemente os quatro principais personagens da história. O rei, Cefeu, a rainha Cassiopeia, sua filha Andrômeda e Perseu, o herói. Individualmente eles são apresentados com respectiva pompa pelos trompetes, em períodos concluídos por outros metais, com suave rufar de bumbos e renhir de contrabaixos.

Após a apresentação, a vida faustosa e pródiga do domínio etíope é majestosamente encenada pela orquestra esfuziante com gloriosas citações temáticas em arrebatadora melodia.

Contudo, pouco mais, emergem da grandiosa ambiência, virtudes não tão nobres, pertinentes à condição humana, capazes de gerar dissabores como, por exemplo, a arrogância e a vaidade da rainha. Cassiopeia insiste em dizer publicamente que entre todas as nereidas, lindas criaturas habitantes das profundezas marinhas, não há uma sequer tão bela quanto ela. Filhas de Nereu, o deus das ondas, as ninfas se sentem indignadas com a ofensa.

Logo se percebe o clima que altera o romantismo descrito anteriormente. As nereidas revoltadas com a humilhação provocada pela rainha unem-se marchando em direção a Poseidon, o soberano deus do mar, casado com uma delas, que logo se solidariza com o ultraje relatado. Exigem que ele tome uma providência imediata. A consequente ira de Poseidon é narrada na profusão musical dos temas atormentados que evidenciam a trágica decisão de enviar, como vingança, um poderoso monstro para destruir a Etiópia. Com golpes robustamente ritmados pelas percussões e a orquestra em tutti, o drama reflete a temerosa situação e se conclui fervorosamente.

Em meio a toda angústia, muito preocupado, o rei Cefeu consulta o oráculo de Zeus em busca de aconselhamento divino, quando lhe é sugerida a inesperada e cruel solução: Só o sacrifício de sua filha virgem, que deve ser oferecida ao monstro Cetus, salvaria a Etiópia. Não tendo escolha, Andrômeda é levada à praia para ser acorrentada, e então devorada.

Agora a orquestra silencia finalizada por breves pizzicatos de contrabaixos. Andrômeda está só. Ela e a noite estrelada, à beira-mar. A música retrata com desolação, a dolorosa surpresa. Sem culpa alguma, estarrecida e em prantos, ela medita sobre a imprevisibilidade do destino, jamais imaginado, e como tudo mudou tão de repente. As cordas lamentam nitidamente a situação pesarosa, que a faz pensar nos males da soberba, da inveja, do despeito, da ira, e em suas fatais consequências. Restam-lhe o medo e a apreensão diante da iminente chegada da horrenda criatura que lhe ceifará a vida.

Novo silêncio conclui os sombrios pensamentos, que vão se acalmando resignados e Andrômeda passa a contemplar a abóbada celestial. Eis que identifica cintilações distantes, confundindo-se com as estrelas, que aos poucos se aproximam, bem definidas na delicadeza das harpas. Mas o brilho alvissareiro se mescla a algo que se movimenta sob a superfície escura do mar, revolvendo a água que também cintila em contraponto com a imagem que se delineia, lá em cima. É Perseu, voando garbosamente montado em Pégaso! A aparição é inicialmente citada por delicadas flautas, entrelaçadas em volteios espiralados, apoiados na suavidade das trompas, com repetidas sequências de quatro notas. Ao avistar a bela Andrômeda acorrentada à beira-mar, Perseu ordena que Pégaso aterrisse em sua direção, como descrevem os metais em ritmo marcial que lembram a cavalgada wagneriana das valquírias.

Ao chegar em terra, ele aproxima-se de Andrômeda. Amedrontada, ela o adverte sobre a presença do monstro Cetus, que se ergue do mar escuro e o combate se inicia. O poema ilustra com heroica veemência orquestral o duelo nitidamente vantajoso para Perseu. Em crescente frenético, toda a convergência sinfônica foca-se na sua vitória espetacular, exposta de forma radiante pelo tema principal. Tudo enfim se concentra na densa passagem que ilustra a surpresa de Perseu, emocionado perante a beleza da vítima salva, por quem impetuosamente se apaixona. A música se funde à intensidade do sentimento com grandiosidade encantadora e explode com a força triunfante do tema.

Passada a tensão que envolveu o vitorioso desfecho, Augusta Holmès restabelece o sentimento de paz profunda e envolvente num cenário pincelado por bucólico oboé, seguido do clarinete, contrapostos ao lirismo das cordas, em delicado ritmo ternário, lembrando uma graciosa valsa.

A vida volta calmamente ao normal com o casal apaixonado, abençoado pelos pais, já residindo em Argos onde foram construir o lar, posteriormente agraciado com a chegada dos filhos. Nem a tentativa de vingança de Fineu, o príncipe a quem Andrômeda havia sido prometida antes do trauma, surte efeito, nem merece relevância.

No trecho seguinte, a música faz menção ao transcurso do tempo, entoada pelas cordas, adornada por flautas que trinam cadenciadas, evidenciando a inexorável cronologia da vida e sua efemeridade.

Completa-se então o ciclo do destino e tudo se esvai em delicados harpejos que simbolizam o fim de uma etapa. Perseu e sua Andrômeda então contemplam na amplitude celeste a imensidão cósmica para onde o casal se dirige eternizando-se
na Constelação que os imortaliza com o nome de sua amada.

Augusta Holmès, compostora e poetisa parisiense tão brilhante que precisou se esconder, desde cedo, atrás de um nome masculino, como tantas outras mulheres sufocadas pela hegemonia masculina, sintetiza o Mito de Andrômeda com requintada musicalidade neste poema sinfônico. Autora de muitas outras belas músicas e poesias, conseguiu ultrapassar as barreiras de seu tempo com notável expressividade. Foi impedida de estudar no Conservatório de Paris, que absurdamente não admitia mulheres, mas chegou a ser reconhecida como musicista excepcional por Wagner, Saint-Saëns e por seu ilustre professor César Franck, além de ter a honra de ver três das filhas que teve com o poeta Catulle Mendès retratadas em tela por Auguste Renoir, em 1888.

Entre suas peças, destacam-se seis poemas sinfônicos, óperas, cantatas, obras para piano, orquestra de câmara, a Ode Triunfal para coro de 900 vozes e orquestra com 300 instrumentos, e a Sinfonia Lutèce, que mereceu de Sain-Saëns o seguinte registro:


“Como as crianças, as mulheres desconhecem os obstáculos e sua força de vontade quebra todas as barreiras. A senhorita Holmès é um exemplo”.

Assim como Augusta, são inúmeras personagens da história das Artes e das Letras que ainda permanecem injustamente pouco conhecidas ou divulgadas. Há de se imaginar do que as mulheres teriam sido capazes se não lhes houvessem sufocado e encoberto sublimes talentos que desvelariam à humanidade a força inspiradora que trazem consigo ao mundo. Lamentavelmente inferior à repressão inominável de que foram vítimas.

Felizmente, "três andrômedas" se perpetuam como Música, Constelação e Mitologia. Um trio invencível, como as grandes e augustas mulheres!


Germano Romero é arquiteto e bacharel em música
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE
  1. Super Parabéns Germano Romero.."maestrando" maravilhosamente um belo texto!!perfeitamente conexo com a obra musical daquela que foi escolhida para o elogioso registro do valorosa competência feminina!!!
    PARABÉNS❗👏🏻👏🏻👏🏻
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir
  2. Belo texto. Infelizmente informações dessa natureza desapareceram de nossos processos ditos educativos-culturais, esquecendo, talvez propositadamente, a importância que essa vivência tem na formação de gerações capazes e criadoras.
    São fundamentos de nosso processo civilizatório que estão sendo abandonados.
    Lamentável...

    ResponderExcluir
  3. Belíssima história musicada, Germano! Outro dia você abordou o machismo reinante na música clássica, sendo a compositora Augusta Brontè uma honrosa excessão que soube se impor.
    E me fez lembrar do machismo que também influenciou a pintura clássica. Não estou me recordando, no momento, de nenhum exemplo...

    ResponderExcluir

leia também