Quando não existia tv, nossa referência como programa noticioso era o Repórter Esso. Foi o primeiro noticiário do rádio jornalismo brasil...

O Repórter Esso

ambiente de leitura carlos romero cronica rui leitao nostalgia reporter esso heron domingues manipulacao jornalismo midia sensacionalismo imperialismo norte americano opiniao publica
Quando não existia tv, nossa referência como programa noticioso era o Repórter Esso. Foi o primeiro noticiário do rádio jornalismo brasileiro. Era patrocinado por uma empresa norte-americana chamada Standard Oil Company of Brazil, conhecida como Esso. Seu slogan era: “o primeiro a dar as últimas e testemunha ocular da História”. Sua primeira transmissão aconteceu pela Rádio Nacional do Rio de Janeiro, em 1941, fazendo a cobertura da Segunda Guerra Mundial. A proposta era exatamente fazer para nós brasileiros a propaganda daquele conflito bélico em favor dos Estados Unidos. Sua última apresentação ocorreu em 1968.


Sem dúvida, apesar do direcionamento político alinhado ao governo norte americano, foi a escola do rádio jornalismo nacional. Tinha a duração de cinco minutos, em quatro edições diárias, sempre abrindo com uma “noticia urgente”. A estrutura sintética do noticiário do Repórter Esso, ainda é observada até hoje pelos veículos de comunicação nos seus programas jornalísticos. Suas características eram a pontualidade, texto vibrante e sucinto, tentando aparentar neutralidade na informação. O fato é que o Repórter Esso pairou absoluto durante vinte e sete anos no rádio brasileiro.

A posição ideológica era notada nas suas primeiras edições, durante a guerra, pelas expressões relacionadas aos norte-americanos, tais como: “poderosas forças”, “vigorosas lutas” e “histórica resistência”. Enquanto depreciava os adversários chamando-os de “tragicômico Duce”, “sanguinário fascismo” e “vermelhos” quando se referiam aos russos, chineses e norte-vietnamitas. Seus apresentadores mais conhecidos foram: Romeu Fernandes, Rubens Amaral,
Celso Guimarães e Heron Domingues, este último o mais consagrado entre eles.

Apesar da sua vinculação com o governo ianque, não escapou à censura da ditadura militar. Em primeiro de abril de 1964, logo após o golpe, o apresentador Fábio Perez, da rádio Tupi, foi barrado por um oficial do exército, sob a justificativa de que a revolução tinha se consumado e que, a partir de então, tudo tinha que passar pela análise prévia dos censores.

Ainda hoje guardo na memória a entonação vibrante de Heron Domingues nas suas apresentações. Era impecável na postura e no ritmo da leitura do que noticiava, adotando um padrão narrativo que serviu de parâmetro para os programas jornalísticos que o sucederam. Quando ouvíamos de longe a vinheta de abertura, corríamos para aumentar o volume do rádio na intenção de tomar conhecimento do que se passava pelo mundo e pelo Brasil.


Foi, portanto, através do Repórter Esso que acompanhamos os principais fatos políticos, sociais e econômicos, que construíram parte da história do país e do mundo. Várias gerações, inclusive a minha enquanto pré-adolescente, cresceram ouvindo e acreditando no que noticiava o Repórter Esso. Ficava fácil para os americanos fazer a nossa cabeça, usando o rádio como instrumento político. Havia uma nítida intenção de influenciar a opinião pública. O rádio era o único veículo utilizado como meio de massa. Nos anos quarenta a Rádio Nacional monopolizava o noticiário nacional. O monopólio midiático já atuava como manipulador da consciência popular.

comente
  1. Salve Rui Leitão!!Breve e belíssimo texto!!
    Parabéns👏👏👏
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir
  2. Eu sou do tempo da Era do Rádio. Heron Domingues era uma voz marcante e inconfundível. Do nível de Luís Jatobá

    ResponderExcluir
  3. Excelente pesquisa descrita em texto impecável. Só de ler já comecei a "ouvir" na minha mente a vinheta de abertura. Me remeteu à minha tenra idade, quando assistia meu pai aumentar o volume do rádio de válvulas.
    É impressionante e emocionante ouvir a voz embargada do locutor, nesta última transmissão, resgata pelos monges copistas e iluministas da eficientíssima equipe de edição do Ambiente de Leitura Carlos Romero. Meus parabens, ao autor e à equipe de Germano Romero!

    ResponderExcluir
  4. Ouvir os clarins da abertura do Repórter Esso nos dava, mesmo no verdor de nossa existência, nos despertava o sentimento de angústia que aqueles tempos nos oferecia.
    Embora possamos considerar, de certa forma, normal o seu proceder, infelizmente os seus padrões de retidão profissional não estão sendo seguidos nos dias de hoje, como estamos verificando com facilidade.
    No final, o que temos a registrar, com pesar, que o modelo praticamente não tem mais seguidores.

    ResponderExcluir

leia também