Vivemos uma época assinalada por duas significativas realidades: o desenvolvimento científico e tecnológico e o vazio existencial. As conq...

Ante os desafios dos tempos atuais

Vivemos uma época assinalada por duas significativas realidades: o desenvolvimento científico e tecnológico e o vazio existencial. As conquistas científicas e tecnológicas propiciam melhor qualidade de vida com os avanços no campo da saúde, alimentação, energia, comunicação, acesso ao conhecimento, entre outros. Em contraposição, o vazio existencial aparece no cenário das relações interpessoais, expressando-se como uma sensação de perda do sentido existencial que, em maior grau conduz a crises depressivas e, não raro, ao suicídio. Tais constatações merecem do venerável Bezerra de Menezes as seguintes ponderações dirigidas aos espiritas:

“Naturalmente, essa manifestação de fuga da realidade interfere no comportamento geral dos seareiros da Verdade que, nada obstante, considerando serem servidores da última hora, permitem-se os desvios que lhes diminuem a carga aflitiva.”

Os tempos atuais são marcados por conflitos e entrechoques nas relações humanas, mais ou menos acentuados em diferentes partes do Planeta: atos de heroísmo e solidariedade e crimes hediondos; indiferentismo, com fuga da realidade, diante de doenças que têm conduzido milhares de pessoas à morte, e ações beneméritas, de onde menos se espera, destinadas a amenizar o sofrimento existente; manifestações ideológicas exacerbadas de pessoas e grupos, político-partidárias ou não, mescladas por vozes contrárias, que promovem paz e a concórdia; manifestações religiosas imprudentes, voltadas para a prática do igrejismo e registros responsáveis que apontam para as consequências espirituais das escolhas humanas, sobretudo as que valorizam o amor a Deus e ao próximo. Neste sentido, o benfeitor Emmanuel, aconselha-nos adotarmos um comportamento mais proativo, e, como medida de harmonia espiritual, propõe lançarmos um olhar mais além, de contemplar mais longe:

Transfere a observação para o teu campo de experiência diária e não olvides que as situações externas serão retratadas em teu plano interior, segundo o material de reflexão que acolhes na consciência. Se perseverares na cólera, todas as forças em torno te parecerão iradas. Se preferes a tristeza, anotarás o desalento, em cada trecho do caminho. Se duvidas de ti próprio, ninguém confia em teu esforço. Se te habituaste às perturbações e aos atritos, dificilmente saberás viver em paz contigo mesmo. Respirarás na zona superior ou inferior, torturada ou tranqüila, em que colocas a própria mente. [...].

Não resta dúvida que o denominado mundo atual é complexo, volátil, pleno de desafios como assinala o psicanalista brasileiro, Marcio de F. Giovannetti, presidente da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo:

Se há algo que permanece hoje em nosso mundo é a ideia de pós. Tudo o mais parece extremamente provisório. A palavra atual parece significar hoje e apenas hoje. Aqui e agora. Ou melhor, apenas agora, pois a própria ideia de “aqui” é absolutamente questionável diante da internet ou de um aparelho de televisão.

[...]

Em uma palavra, poderíamos dizer que o que há de mais característico no mundo de hoje é o desaparecimento da permanência. Tudo se volatiliza. Tudo é descartável. Mas, paradoxalmente, há um aumento da expectativa do tempo da vida humana. Quanto mais tempo vive o homem, menor o tempo de cada uma de suas coisas, sejam elas artefatos, produções culturais ou conceitos científicos. Ser estranho esse, o homem...

Compreender a diversidade existente no mundo, conhecer e respeitar opiniões diferentes — ainda que contrários ao próprio entendimento — são desafios da vida em sociedade, sobretudo quando acontecem no ambiente familiar ou profissional. Assim, no processo de autoiluminação, faz-se necessário buscar o autodomínio, esforçando-se em manter relacionamentos saudáveis e verdadeiros com as pessoas que fazem parte do nosso convívio social, aprendendo a lidar com as divergências de forma respeitosa, sem da emissão de juízos de valor. Joanna de ngelis oferece-nos oportunas orientações a respeito:

Em teu esforço de autoiluminação, tem em vista que a paciência, é fator primordial para o êxito.

[...] No exercício da paciência, faz-se imprescindível o autocontrole que demonstra a eficácia da ciência da paz.

[…] Persevera naquilo que crês, pois sabes que o amor é a única solução para todas as dificuldades humanas. O que não conseguires hoje, lograrás amanhã, se souberes permanecer firme e sem desalento.

Ante os conflitos do mundo atual, afirma Bezerra de Menezes:

“[…] é natural que surjam divergências, opiniões variadas, procurando melhor metodologia para o serviço da Luz. O direito de discordar, de discrepar, é inerente a toda a consciência livre. Mas, tenhamos cuidado para não dissentir, para não dividir, para não gerar fossos profundos ou abismos aparentemente intransponíveis.”

E conclui com bondade:

Que o Espírito de união, de fraternidade, leve-nos todos, desencarnados e encarnados, à pacificação […].

O amor é o instrumento hábil para todas as decisões. Desarmados os corações, formaremos o grupo dos seres amados do ideal da Nova Era.

[...] Nunca olvidemos, em nossas preocupações, que a Barca terrestre tem um Nauta que a conduz com segurança ao porto da paz.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
  1. Maravilhosa contextualização caríssima Marta Antunes!! uma exortação à paz ..com discernimento e equilíbrio.
    Muitas salvas👏👏👏👏👏👏👏
    Incluindo à parabenizar o nosso editor..Ilustríssimo Germamo Romero
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário, Paulo Rocha.

      O ALCR é muito grato por sua participação, pelo incentivo e pela interação com os autores.

      Excluir

leia também