Se alguém 'é' uma mulher, isso certamente não é tudo o que esse alguém é. Judith Butler Há quase uma década (2012), estiveram ...

Lourdes & Eleonora

literatura paraibana lourdes bandeira eleonora menicucci feminismo luta mulheres beth lobo clarissa pinkola
Se alguém 'é' uma mulher, isso certamente não é tudo o que esse alguém é.
Judith Butler

Há quase uma década (2012), estiveram aqui em João Pessoa a Ministra da Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres (SPM) da Presidência da República, Eleonora Menicucci, e a sua vice, professora Lourdes Bandeira. Vieram lançar linha de crédito para mulheres, a fim de que pudessem enfrentar as desigualdades de gênero no trabalho. Duas feministas, poderosas, que sempre estiveram à frente das lutas das mulheres, fossem na saúde ou na Academia, em pesquisas sobre Violência contra à Mulher, e que hoje legitimadas e autorizadas representam o que Rose Marie Muraro, chamou de “Nova Ordem Simbólica” nos espaços políticos, não mais centrados no falo (o poder, o matar ou morrer que é a sua lei),
Gov. BR
mas uma nova ordem que possa permear desde o inconsciente individual até os sistemas macroeconômicos, agora estruturada sobre a vida.

Quem não viu na posse de Dilma, quando a Presidenta se referiu à amiga Eleonora, dos tempos de prisão, com quem dividiu a mesma cela, durante os tempos negros da ditadura? Eu mesma fiquei com o peito cheio de orgulho. Conheci essas duas mulheres, primeiro de longe. Ouvia falar de uma, com seus cabelos naturalmente encaracolados, sem medo de botar a boca no trombone; e da outra, professora universitária, invariavelmente à frente das discussões acadêmicas, ou não, igualmente com a boca nos mesmos trombones... e sempre sobre assuntos que me instigavam.


Eram os anos 80; tempos em que eu era funcionária da Reitoria, um período pessoal de entre o lugar de recém-separada e de solteira novamente, me adaptando à uma condição estranha, em que só me interessava por festas, bares, liberdade e descompromisso. Fugia de tudo o que me exigia. E vivia a borboletear! Dores e delícias de rompimentos e buscas de identidade não me deixavam comprometer-me com causas, mas vivê-las. O casulo me esperava, para mais tarde re-nascer em outros tempos: Viver sem Tempos Mortos, como já dizia Simone de Beauvoir, quem sabe era o meu desejo. Mas, flertava com o Maria Mulher, e jamais esquecerei algumas conversas nas areias de Baía Formosa, com a poetisa morta Violeta Formiga. Ocasião em que li Rose Marie Muraro, e fui vê-la pessoalmente numa palestra emocionante nos auditórios do CT. O meu sentir feminista se modulava e ganhava corpo físico e subjetivo.

Os anos passaram, e cheguei perto dessas mulheres. Eleonora através do Forum Feminista e do Grupo Lílás, embrião do Cunhã Coletivo Feminista; e Lourdes também nesses mesmos espaços,
Gov. BR
e nas pesquisas do Núcleo de Documentação e Informação Histórica Regional – NDIHR da UFPB, quando tive a honra de fazer parte de uma de suas pesquisas. E, conversa vai conversa vem, quando dei por mim, estava fazendo a disciplina da pós com Eleonora, sobre Foucault e as forças dos poderes imprisionadores das instituições, sexualidade, poder x conhecimento, e, plena de curiosidade, me perdia nas palavras e nas coisas...

De palavras e coisas, cheguei a comer biscoitos amanteigados no terraço de Lourdes Bandeira, na Av. Négo. Admirava a transgressão Eleonora e a assertividade gaúcha, com sotaque mais que sullllllll, da Lourdes. E uma vez perguntei a Lourdes a que horas ela fazia aqueles biscoitos deliciosos. Ela, banalmente: “sábado à tarde!” E acordava às 5 para ler teses, etc. Era o meu paradigma de eficiência, já que tinha 3 filhos pequenos/pré-adolescentes para criar, casa pra cuidar, e uma carreira brilhante. Eu, na minha displicência avoada de mulher que só queria as noites e o mundão, me espantava com a disciplina, compromisso, comprometimento, engajamento daqueles seres, que me causavam admiração. Eu etérea, me queria terrena, inspirada por essas guerreiras, que até hoje me fazem dançar de alegria só de lembrá-las.

Um belo dia, sem me perceber, estava eu, junto com "Leo", em Alagoa Grande, falando para as mulheres rurais. Eu, tão urbana, com tão pouco o que dizer para as mulheres do campo, estava lá, impulsionada por Leo que em tudo vibrava, em tudo era entusiasmo e questionamento. Uma aula!

Eleonora Menicucci discursa em evento ocorrido na cidade de Alagoa Grande-PB, em homenagem à memória da sindicalista Margarida Maria Alves ◼ 2013 Gov. PB

Final dos anos 80/90 foram muitas reuniões com as duas, e mais Sandra, Lucinha, Soraia, Gilberta, Estelizabel, para depois vir a ser formado o Grupo Cunhã. Tardes inesquecíveis de aprendizado e ações pessoais/coletivas afirmativas.

Jamais esquecerei uma certa viagem a Recife com Eleonora, que no meu terraço e nos espaços subjetivos privados, sempre com aqueles olhos azuis arregalados, me impulsionava, me acariciava de solidariedade e compartilhamento, respondia às minhas dúvidas, caminhos, e escolhas.

Ah! O destino e a vida! Um dia, um acidente. Uma tragédia. Mortes. Perdas & Danos. A irreversibilidade das estradas da vida. Beth Lobo. Penha. E o choro de todas nós. Juntas. Eu estava grávida de 4 meses do meu filho Daniel (agora com quase 30), e tinha jantado com Beth na véspera. Com Penha? Sempre nos eventos do PT, das mulheres, no jardim da casa de Edinalva, hoje uma estrela brilhante.
Unicamp
E talvez essa consciência, essa solidariedade feminina, deram força às mulheres e a Lourdes pessoalmente, para que a vida fosse mais importante. E foi. Superação! Via-a brilhando na TV, nas pesquisas, na vida, e depois novamente com Eleonora. Uma dupla de mulheres-amigas, se não maravilha, mas de competência, de empoderamento, a nos representar tão fortemente, tão docemente.

Em março de 2012 estivemos juntas. Todas. Maria mulheres. Cunhãs. Oitos de Marços. Amigas avulsas. Queridas. Uma mesa gigante. Falas emocionadas. Resgates. Homenagens. Brindes. Abraços feministas. Saudades. E tantas felicidades. Até um par de suspensórios apareceu – um descuido de percalço, e o masculino bendito entre as mulheres!

Ao final, Vitória Lima levou suas fitinhas Fúcsia, com poemas seus sobre as penugens dos jambeiros, para que, com essa cor, desejássemos sucesso a essas mulheres lindas e maravilhosas. E para que a Secretaria brilhasse e avançasse, foi o que todas nós, na algazarra da alegria feminina/feminista/cidadãs, brindamos.

Fui muito próxima de Lourdes em uma época da vida. Era uma mulher forte, assertiva, bela, competentíssima, precursora do movimento feminista aqui e em outros lugares. Uma referência política e pessoal para mim! Ontem, dia 13 de setembro, ela virou estrelinha, e eu estou muito triste com mais esta perda! Desejei e desejo a Lourdes, Eleonora, e tantas outras mulheres que ocupam cargos ou não, que:

“Usem seu amor além dos bons instintos para saber quando rosnar, quando atacar, quando aplicar um golpe violento, quando matar, quando recuar, quando ladrar de madrugada. Para viver o mais próximo possível da força espiritual selvagem, a mulher precisa sacudir mais a cabeça, ser mais exuberante, ter mais faro na sua intuição, ter mais vida criativa, enfiar mais a mão na massa, ter mais solidão, ter mais companhia de mulheres, levar uma vida mais natural, ter mais fogo, elaborar mais as palavras e as idéias. Ela precisa de maior reconhecimento por parte das suas irmãs , de mais sementes, mais rizomas, mais revolução na vizinhança... Mais grupos de costura terroristas e mais uivos. Muito mais canto, muito mais canto profundo.

Todas nós podemos afirmar pertencer ao antigo clã das cicatrizes, ostentar orgulhosas as marcas de combate do nosso tempo, escrever nossos segredos nas paredes, não aceitar sentir vergonha, abrir o acesso à saída... Portanto apareça. Apareça onde quer que esteja. Deixe pegadas fundas porque você pode fazer isso. Tenha coragem e a paciência da mulher na história do urso da meia-lua, que aprende a ver além da ilusão. Não se distraia queimando fósforos e fantasias....Colha os ossos dos valores perdidos e cante para devolvê-los à vida... As filhas das filhas das suas filhas irão provavelmente lembrar-se de você... Queixe-se ao luar, apure os ouvidos, perambule nos intervalos, faça amor, uive sempre!”

◼ Trechos de Mulheres que Correm com os Lobos, de Clarissa Estés Pinkola

Salve as Mulheres que Correm com os Lobos! Salve Lourdes e Eleonora!

Lista de Chamada: Salve Vitória Lima, Joselita, Neiliane Maia, Ana Maria Farias, Gilberta Soares, Estelizabel, Lúcia Guerra, Iara Matos, outra Lúcia, Soraia, Naka, Irene, Walquiria, Jandira, Zenia, Rosa Godoy, Glória Rabay, e Eu! só para citar algumas das presentes. Faltou? Dos Anjos e Sarita! Ausentes? Edinalva, Violeta Formiga e Tantas outras.

comente
  1. Muito bom, querida Ana Adelaide, me fez bem! Salve nossas eternas professoras amigas e companheiras de lutas, estarão sempre presente em nossas mentes e corações!

    ResponderExcluir
  2. bonita homenagem, ana.
    abraços do
    sérgio

    ResponderExcluir
  3. Oi, Ana, parabéns pelo belo texto . Conheci Lourdes de vista, mas sempre soube q era uma pessoa especial. Linda homenagem. Grande abraço.

    ResponderExcluir

leia também