Minhas primeiras lágrimas no cinema datam de 1957, ou 58, por aí assim, se é que se possa tratar por cinema a tela pequena instalada por S...

A Paixão de Cristo

nostalgia cinema paraiba projecao rua pilar
Minhas primeiras lágrimas no cinema datam de 1957, ou 58, por aí assim, se é que se possa tratar por cinema a tela pequena instalada por Seu Zé Ribeiro no Mercado Público da paraibana Pilar, às noites das quartas-feiras, dos sábados e domingos para a exibição de filmes alocados no escritório da Metro, no Recife, sobretudo ali.

Seu Zé tomava um dos trens da Great Western (depois Rede Ferroviária do Nordeste) pela manhã e regressava ao fim da tarde com sua bagagem mágica
Film Pathé
feita de cowboys, dramas e comédias.

O menino que então eu era chorou com A Vida e a Paixão de Cristo , realização de 1902 lançada no ano seguinte. Filme mudo e, originalmente, em preto e branco, rodado pela dupla de diretores Lucien Nonguet e Ferdinad Zecca, ambos influenciados pelas gravuras bíblicas de Gustave Doré.

A versão com a qual eu e a pequena cidade nos comovíamos tinha as cores da produtora francesa Pathé Frères, um experimento de laboratório um tanto quanto sofisticado para a época. Em 1903, os 44 minutos de duração também inscreveram “A Vida e a Paixão de Cristo” na lista dos filmes mais longos do seu tempo.

Seu Zé Ribeiro me contaria décadas depois, em entrevista para a Revista A CARTA, que andou com esse filme de engenho em engenho e de cidade em cidade por todo o Baixo Vale do Rio Paraíba. E a cada exibição superlotava ambientes públicos e privados.

Quase no fim de 1950, eu e meus verdes anos saímos da sessão noturna, no compartimento de farinha e cereais do Mercado Municipal, de coração partido. Ouvi a zombaria do amigo Coló que preferia um bom tiroteio, o saque rápido e a mira de Bill Elliott, ou Durango Kid : “Gastou dinheiro para sofrer”, riu de mim.

nostalgia cinema paraiba projecao rua pilar
nostalgia cinema paraiba projecao rua pilar
nostalgia cinema paraiba projecao rua pilar
nostalgia cinema paraiba projecao rua pilar

Tão impressionante quanto as fitas assim exibidas – de porta em porta, até a construção da própria sala – era a figura de Zé Ribeiro. Disse-me que tomou paixão pelo cinema ainda menino, quando a Fábrica de Tecidos de Rio Tinto, onde morava, projetou em praça pública o primeiro filme por ele visto em toda a vida.

Já adulto, teve a oportunidade de adquirir um projetor Pathé, de 19 milímetros, do dono da pedreira na qual trabalhava em Jaboatão dos Guararapes, Área Metropolitana do Recife. O homem fazia sessões domésticas que não perdia. Punha-se na janela da casa até o dia em que foi convidado a tomar assento.

A troca daquele projetor por um mais moderno lhe trouxe a oportunidade da aquisição do mais velho. Pagou tudo, religiosamente, mês a mês e largou o emprego ao cabo da última prestação. Foi aí que se mudou para Pilar a fim de viver da pequena agricultura e da exibição de filmes nas casas grandes de engenhos de açúcar, em mercados públicos e outros locais fornecidos pelas Prefeituras.

Fez o próprio cinema, tijolo por tijolo, cadeira por cadeira, por volta de 1960, quando a televisão começava a matar as pequenas salas de exibição do interior e de bairros periféricos nas capitais. O Cine Ideal, fruto do seu suor e do seu amor à Sétima Arte, assim tida e havida, durou pouco tempo. Ah, os velhos cinemeiros. São como dinossauros. Existiram, mas nem todos acreditam.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!
  1. Depoimento precioso para cinéfilos ( quase todo mundo ). Vivi algo parecido, como se vê num dos monólogos de meu primeiro romance: "Israel Rêmora":
    "Já vi a Vida Paixão e Morte de N. S. Jesus Cristo dezesseis vezes
    num cineminha de bairro
    em João Pessoa.
    Toda sexta-feira da Semana Santa estou lá
    com aquele filme tão antigo quanto o sudário de Turim
    tão antigo
    que dizem ter sido protagonizado pelo próprio galileu
    e eu também acho que sim.
    Vou sempre vê-lo
    porque em cada sequência parece-me ver uma gaveta cheia de Antes contendo o Depois
    como vi n”A Viagem à Lua”
    de George Miliès
    feito em 1902.
    Tanto que
    quando o Anjo anuncia à Maria
    sei que a resposta não varia.
    E
    quando Pilatos lava as mãos
    no ponto alto da trama
    vejo o lusco-fusco nazareno subindo ao céu aos arrancos
    por falta de alguns fotogramas.
    Mas é tudo inútil
    percebo
    pois o amanhã é outra e muito mais complexa gaveta
    cheia de fotos que não saem no cinema nem na gazeta
    pois ele fica dentro do mesmo cofre-forte de aço
    onde estão guardados todos os segredos do tempo
    e do espaço."

    ResponderExcluir
  2. - Bravo, Solha. Grato sempre pela atenção Um abraço do Frutuoso.

    ResponderExcluir

leia também