Ela é leve como as plumas que não tem, e seus olhos veem além dos nossos, através das superfícies que escondem as cores. Quem sabe, a m...

A Fada das Cores

arte pintura cores aquarela paisagem nordeste
Ela é leve como as plumas que não tem, e seus olhos veem além dos nossos, através das superfícies que escondem as cores. Quem sabe, a magia que chegou às suas mãos, na tarefa de bordar o enxoval da irmã caçula, todo dia, às dezessete horas... uma cadeira na calçada, ao lado da Catedral, certamente diante do pôr do sol e seus matizes! Cumpriu essa missão com habilidade e carinho. Na escolha das linhas, o mistério das tonalidades encantou a Fada. Quando estudava na Bica (Parque Arruda Câmara), conduzia a pequena, para que a mãe se dedicasse mais ao trabalho. Entre livros e cuidados, folhas em branco e grafite na mão, surgiam árvores, retas, curvas, entrelaçadas, folhagens, horizontes percebidos ente a terra e o céu... formas perfeitas para rivalizar com a natureza.

arte pintura cores aquarela paisagem nordeste
No colégio, estudou artes, com uma freira que dominava os pincéis, e da sua bela escrivaninha de cedro, orientava a aluna interessada. Aprendeu as técnicas básicas, e fez as primeiras telas, provavelmente com aquarela e tinta acrílica. Suas asas, no entanto, estavam presas, porque só lhe era permitido copiar o modelo da aula. Mesmo assim, o fez muito bem, com pequenas nuances que diferenciavam do original, exibindo seu traço, sua personalidade singular.

arte pintura cores aquarela paisagem nordeste
Quando foi solicitada para usar sua “varinha de condão” e transformar um casamento simples em refinado, desdobrou sua criatividade para elaborar arranjos de flores secas (sempre-vivas), e iluminou a nave central da igreja, com ideias nunca antes utilizadas!

Apaixonou-se bem jovem pela filosofia, e seguiu seus caminhos do pensar, ler, contemplar...

arte pintura cores aquarela paisagem nordeste
Na sua casa, os livros se espalham à sua volta, sempre à mão, independentemente da pesquisa atual, duas bibliotecas abastecem a cultura doméstica, acervo de grandes consultas. Aí a Fada transita, lépida e feliz, fiel às suas crenças e aos seus dois grandes amores, completa seu entorno, um “orquidário de estimação”, para encantar-se entre seus perfumes.

As fadas, “figuras mitológicas, citadas desde o século I d.C., seres encantados que protegem a natureza”, exatamente o objetivo a que a Fada das Cores se dedicou, e continua a fazer, ecologista de alma e coração, e da terra protegida, descobriu a tinta natural obtida da argila.

Com esse pigmento, mergulhou na dor dos camponeses, dos sofridos operários, da opressão dos usineiros... trouxe para suas obras, a cana de açúcar, a erosão da falésia do Cabo Branco, a fase das frutas, que de tão reais estimulavam os olhos e a boca. Seguiu com as sementes, as flores de maio, até retornar à terra, com as montanhas monocromáticas e intensas.

Anos de estudo das cores, exposições nacionais e internacionais, cursos, bienais, workshops e intercâmbios. Atualmente, após uma exposição no CCBB, a decisão de escrever um livro sobre os pigmentos brasileiros, história, ocorrência, classificação... e iniciou um novo projeto de pesquisa: viajar em busca das paletas perdidas, à procura de inscrições rupestres, de argilas verdes, azuis, vermelhas, caminhando entre pedras e espinhos, trajetos que a fizeram sorrir, brincar e encher o olhar de brilho e reflexos de arco-íris.

No Vale do Catimbau, uma surpresa ao constatar a diversidade de materiais, de trilha em trilha, seguiu à disposição do seu desejo, lembrando Freud, que afirmava que as obras de arte, são imaginárias satisfações de desejos inconscientes! Mas essa realização foi concreta e produtiva.

A coleta de mil saquinhos de argila, que serão catalogados e identificados em vidros, tornou-se uma riqueza sem preço e a maior conquista: As imagens que ficarão presas no registro dos nossos arquivos emocionais, para nunca mais desaparecer.

Marlene Almeida ▪ artista plástica
A arte é o sentido do prazer, é a herança que se passa para todos, é um bem coletivo.

Voa Fada das cores, próximo destino, Cabaceiras, uma Pousada no fim do mundo, novas descobertas, coletas em terra acidentada, adrenalina a todo vapor. Nós, que não possuímos estes dons, esperamos por cada capítulo, escrito na escrivaninha da antiga professora de pintura, que conseguiu resgatar de um antiquário, aprender o poder da magia, para que marque nossa memória com a inscrição da arte e do afeto, no calcário de nossa temporalidade.

arte pintura cores aquarela paisagem nordeste

COMENTÁRIOS
  1. Anônimo1/7/22 04:06

    É madrugada. Com a falta do sono sou surpreendida com esse poema tão puro e verdadeiro. A emoção me toma num misto de orgulho e ternura. Somos três irmãs . Um trio que aprendeu a ver é sentir a natureza no seu interior. Parabéns as duas. Amo vocês

    ResponderExcluir
  2. Anônimo1/7/22 19:01

    A arte está no sangue dessa família!

    ResponderExcluir
  3. A sua crônica está excelente. A riqueza de detalhes na descrição da persogem nos faz conhecer a personalidade da grande artista MARLENE.
    PARABÉNS

    ResponderExcluir
  4. José Mário Espínola2/7/22 22:32

    Marlene escreve poesias coloridas com o seu pincel.
    Marluce "pinta" com muita elegância o seu teclado do computador.
    Que bela dupla de irmãs!

    ResponderExcluir

leia também