Mostrando postagens com marcador Arael Costa. Mostrar todas as postagens

Por indicação de um amigo comum, tomei-me de curiosidade e fui procurar nas redes sociais que hoje fazem parte de nosso dia-a-dia, a en...

agua abastecimento saneamento recursos renovaveis ambiente
Por indicação de um amigo comum, tomei-me de curiosidade e fui procurar nas redes sociais que hoje fazem parte de nosso dia-a-dia, a entrevista que o engenheiro Paulo Bezerril Júnior, um dos muitos nordestinos migrados para o sul, dera, há pouco dias, a um site especializado que se edita em São Paulo, cidade que o acolheu e onde ele fez valer sua competência e capacidade de trabalho, tornando-se figura exponencial no meio profissional em que milita.

Leio, nas páginas do Abelardo Jurema, nota registrando a realização do festival do Bode Rei, nas terras do Roliúde Nordestino, criaçõ...

wills leal festa bode rei cabaceiras jornalismo paraibano
Leio, nas páginas do Abelardo Jurema, nota registrando a realização do festival do Bode Rei, nas terras do Roliúde Nordestino, criações do espírito irrequieto do amigo que já se foi do nosso convívio, criações essas que nas mãos de quem verdadeiramente sabe o que é turismo canalizaria alentados grupos, no mínimo, para se deliciar das delícias culinárias produzidas com partes dos súditos desse monarca, cuja realeza, quem sabe, logo também será transformada, no gostoso picado, que o pernambucano chama de sarapatel, que tanto nos delicia.

Nestes dias chuvosos finalmente chegaram as chuvas para aliviar o calor quase senegalês que nos martirizou por um bom tempo, circulan...

buraco rua descaso chuva administracao publica
Nestes dias chuvosos finalmente chegaram as chuvas para aliviar o calor quase senegalês que nos martirizou por um bom tempo, circulando pela cidade molhada somos levados a dar crédito de verdade ao que dizia, tempos atrás, um companheiro de batente, ao afirmar que o asfalto de nossas ruas tinha base de “bolacha cream cracker”, apresentando aquela mesma propriedade que a mídia exalta em um leite em pó, “desmancha sem bater”.

O professor Cláudio José Lopes Rodrigues nos traz, em seu livro “Diário não diário", um registro do dia-a-dia que pode ser, com os...

critica literatura paraibana
O professor Cláudio José Lopes Rodrigues nos traz, em seu livro “Diário não diário", um registro do dia-a-dia que pode ser, com os devidos ajustes, as imagens de uma vida bem vivida por qualquer um de nós, inseridos neste “mundo, mundo, vasto mundo [...]” do poeta Carlos Drummond de Andrade (Poema de sete faces, in Alguma poesia).

Começa seu depoimento, não depoimento, com o registro da angústia que decerto aflige autores/escritores desde seus primeiros passos na construção de uma obra literária, com seus “momentos fastidiosos, angustiantes e até constrangedores”,

Atazanando a memória eletrônica que se dispõe a substituir as falhas que a física já me apresenta, encontrei um recorte de jornal (ah! in...

Atazanando a memória eletrônica que se dispõe a substituir as falhas que a física já me apresenta, encontrei um recorte de jornal (ah! instrumento de tanta utilidade e que tanta falta nos faz, nos dias de hoje), em que, sob o título acima, do qual me apropriei indevidamente, o combativo jornalista Rubens Nóbrega (Correio da Paraíba, 20/Mar/2004) dá eco ao combate que os residentes e veranistas da praia do Jardim América, hoje Bairro do Bessa, empreenderam, para livrar a praia da invasão deletéria de bares e assemelhados que se verificava por ali.

“Sempre, às seis horas da manhã No Largo do Maracanã Eu ouço com emoção Uma mensagem que o sino Da igrejinha do Divino Dirige ao meu cora...

nostalgia paraiba cronica infancia igrejas
“Sempre, às seis horas da manhã No Largo do Maracanã Eu ouço com emoção Uma mensagem que o sino Da igrejinha do Divino Dirige ao meu coração...”
A Deusa do MaracanãJaime Guilherme

Revisando notas e arquivos recolhidos a escaninhos de memória e outros repositórios, vez por outra encontro registros como este, que lança...

poeta caixa dagua manoel jose lima
Revisando notas e arquivos recolhidos a escaninhos de memória e outros repositórios, vez por outra encontro registros como este, que lançados, por razões diversas, no baú de esquecimentos, foram submetidas a uma hibernação da qual refluem em momentos impensados, como o que me trouxe, agora, esta recordação.

Zapeando pelas muitas páginas deste universo internetiano, encontro em um blog pernambucano – Jornal da Besta Fubana, artigo que me fez pe...

biblioteca bibliofilia leitura rubens borba alves moraes
Zapeando pelas muitas páginas deste universo internetiano, encontro em um blog pernambucano – Jornal da Besta Fubana, artigo que me fez pensar em outro tempo e comparar procedimentos daqui e de além.

Outro dia estava com meu amigo, num restaurante, e vimos um vinho daqueles bons e caros. O garçom, muito cortês, logo perguntou se quería...

auto ajuda decisao aproveitar vida vinho
Outro dia estava com meu amigo, num restaurante, e vimos um vinho daqueles bons e caros. O garçom, muito cortês, logo perguntou se queríamos aquela safra para acompanhar o pedido. Meu amigo, sem pensar duas vezes, disse: “mete o saca-rolha”.

Depois de dar boas risadas com a expressão, ele me contou que a frase servia para a vida; que tempos atrás havia perdido um grande amigo possuidor de uma grande adega com vinhos caríssimos, e os deixava lá, sem abrir.