“Sempre, às seis horas da manhã No Largo do Maracanã Eu ouço com emoção Uma mensagem que o sino Da igrejinha do Divino Dirige ao meu cora...

Os sinos de minha adolescência

nostalgia paraiba cronica infancia igrejas
“Sempre, às seis horas da manhã No Largo do Maracanã Eu ouço com emoção Uma mensagem que o sino Da igrejinha do Divino Dirige ao meu coração...”
A Deusa do MaracanãJaime Guilherme

Cumprindo a última etapa de um périplo de exames que o desvelo e a competência de meu cardiologista, Dr. José Mário Espínola, me impôs, vi-me imobilizado em uma máquina curiosa – talvez, quem saiba, vinda pela mão de Stanley Kubrick em “...Uma Odisseia no Espaço”, que se propunha a espionar o interior de meu peito, já não tão juvenil, em busca de algum desvio de conduta.

nostalgia paraiba cronica infancia igrejas
Igreja de N. Sra. do Carmo ▪ IBGE
Nessa imobilidade, restava-me tão somente o pensar – livre, como bem mencionava o escritor Millôr Fernandes, que foi conduzido a recordações gradas, como a despertada pelo José Nunes, em sua crônica “Um passeio pela memória” (in Ambiente de Leitura Carlos Romero) —, que me trouxe de volta a um período marcante de minha vida, vivida naquelas trilhas que José Nunes, com a cumplicidade do Jornalista Gonzaga Rodrigues, restaura nas mentes de quantos viveram naquelas paragens e naquela época.

Embora já conhecesse algumas daquelas trilhas, percorridas em épocas anteriores, o período em que residi na Rua Duque de Caxias deu-me novas trilhas e marcou-me de forma considerável, dando-me lembranças das mais valiosas, pois representou o ritual de minha passagem para a via adulta, aumentando meus horizontes.

Já não foram apenas a Rua Duque de Caxias, a Praça 1817 e o Ponto de Cem Réis. Aditaram-se ao roteiro a Rua Visconde Pelotas, a Avenida General Osório e até as icônicas Ladeira da Borborema; a Ladeira de São Francisco e a Rua da Areia.

Festa das Neves bem próxima.

Carnaval e seu corso, que ainda existia, na porta de casa.

Mas, nem tudo são flores...

nostalgia paraiba cronica infancia igrejas
Igreja de São Bento ▪ Parahyba do NorteIBGE
As cercanias das muitas veneráveis igrejas ali localizadas, a par do conforto espiritual que nos davam, também apresentavam, notadamente para os integrantes de minha geração residentes na área, algum dissabor, quando ”sempre às 6 horas da manhã” a alvorada festiva dos sinos daquela área urbana, lembrava a todos a obrigação de fé, a ser cumprida nas missas que lá se celebravam.

Nessa imobilidade a que a máquina curiosa me submetia, continuei a rememorar outros pequenos episódios da vida vivida na Rua Duque de Caxias e sua vizinhança, notadamente aquele instante em que as firmes badaladas de muitos sinos, onde infelizmente não estava a “...mensagem que o sino da igrejinha do Divino...”, mas o toque de despertar que não mais nos deixavam dormir, após essa hora, notadamente nas madrugadas às vezes chuvosas e frias dos domingos, quando nosso desejo era ficar um pouco mais na cama, após noitadas de sábado.

Acabado o exame, com a máquina curiosa silenciada, voltei à realidade dos dias presentes, não me restando outra situação que não lamentar a atual situação de abandono daquela área que me trouxe, e, decerto, a muitos outros daquela época, tantas recordações.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
  1. Deliciosas recordações de lugares que tiveram as suas importâncias também na minha formação, embora eu residisse distante, no aprazível bairro do Tambiá.
    A minha infância e juventude foi assistindo os filmes nos Cines Rex, Plaza e Municipal, nas ruas Duque de Caxias e Visconde de Pelotas. E frequentando o xadrez (no bom sentido!) do Clube Cabo Branco, na Duque de Caxias.
    Os cafés do Ponto de Cem Réis, que também foi palco das nossas manifestações de horror à ditadura militar.
    Arael me provoca o mesmo sentimento que provocou a cronica de Francisco Barreto: saudosas lembranças...
    Hoje, para mim é muito triste ver essa região em plena decadência, casas arruinadas, artérias cheias de lojas ocupadas quase que totalmente por chineses. Uma lástima.
    Esse foi o lado bom dos exames de imagem a que Arael foi submetido: gerar uma crônica tão deliciosa que me fez voar no tempo.
    Agradeço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Distinção imerecida a que me faz o José Mário Espínola.

      Excluir
  2. Os sons dos sinos realmente nos marcam. Vivi oito anos em Pombal. Jamais me esquecerei de que a Quinta de Beethoven repete suas quatro célebres notas graves - tã tã tã - tããã - e que a igreja do Rosário repete três, metálicas - tá tá - ... tááá, tá tá- ... tá.

    ResponderExcluir
  3. Amigo Solha
    Imagine, em tempos idos, como o badalar da meia noite soava para os sentinelas solitários, lá nos fundos do terreno do 15º RI, em Cruz das Armas, beirando a Mata do Buraquinho, notadamente em noites de chuva, como experimentei, durante minha curta passagem por essa unidade do Exército.

    ResponderExcluir

leia também