Mostrando postagens com marcador Márcia Lucena. Mostrar todas as postagens

Flora nasceu um ano depois da abertura do meu berçário — (sim, eu tive um berçário! —, a Escola Casa Aldeia Cresça. A experiência de t...

maternidade dificuldades alegrias trabalho doacao filhos amor mae
Flora nasceu um ano depois da abertura do meu berçário — (sim, eu tive um berçário! —, a Escola Casa Aldeia Cresça.

A experiência de ter uma filha dentro da dinâmica do Aldeia Cresça foi extremamente positiva, tanto para mim, que pude ampliar a nossa relação para além dos laços de mãe e filha; como para ela (eu imagino!), que desde o princípio teve uma rotina dividida, compartilhada com outras crianças com as quais estabeleceu um elo profundo que perdura até hoje, experimentando vivências de muita autonomia,

Lutei para manter meus olhos abertos, acreditando que assim sustentaria o coração e o cérebro funcionando. Mantive o tempo que pude, mas s...

literatura paraibana sol nascente quase morte superacao
Lutei para manter meus olhos abertos, acreditando que assim sustentaria o coração e o cérebro funcionando. Mantive o tempo que pude, mas sei que ali vivi uma morte.

Tive uma espécie de convulsão por algum tempo, com visões e sensações muito fortes. Cheguei a olhar nos olhos do homem que me socorria e ver e ouvir a voz de Deus que falava comigo. Senti a consistência do meu corpo de forma diferente; parecia uma espuma densa e macia ao mesmo tempo.

Vi-me fora dele.

Pra começar, queria falar que nasci em uma família de professores: meu pai era professor de história, comprometido com a educação em todos...

literatura paraibana nostalgia infancia educacao arte musica
Pra começar, queria falar que nasci em uma família de professores: meu pai era professor de história, comprometido com a educação em todos os momentos, amante da historicidade humana e mais profundamente amante do sujeito e da sua busca em tornar-se Ser Humano. Minha mãe professora de música, apaixonada pela arte, pela estética e pela expressão em todas as suas formas, incentivadora do movimento, das mudanças e transformações na vida de todos próximos a ela. Esses dois me mostraram, a partir de sua união, a importância da busca determinada pela realização do amor, e essa foi a herança que tentaram distribuir em vida com seus quatro filhos.

Hoje, quando escuto músicas que lembram minha vida na Pitumirim com meus pais, irmão e irmãs, primos, primas, tios, tias, amigos, amigas f...

literatura paraibana cronica nostalgia juventude coragem felicidade
Hoje, quando escuto músicas que lembram minha vida na Pitumirim com meus pais, irmão e irmãs, primos, primas, tios, tias, amigos, amigas fico pensando que nunca mais serei tão feliz!

Olho pra frente e sei que as coisas que provocaram aquela energia e tanta abundância não terão mais lugar, por diferentes motivos. São os momentos da vida que vão mudando e dando origem a outros.

Essencialmente, sou uma professora! E como fui feliz ao entender desde sempre que nasci pra isso! E como sou feliz com a oportunidade de t...

literatura paraibana marcia lucena solidariedade juventude educacao pedagogia ajuda mutua ajc municipio conde
Essencialmente, sou uma professora! E como fui feliz ao entender desde sempre que nasci pra isso! E como sou feliz com a oportunidade de ter contato com o fazer da educação!

Refiro-me à minha presença na equipe de professores e professoras voluntárias no cursinho Pré-ENEM da AJC.

A AJC — Articulação da Juventude Camponesa da Paraíba é composta por jovens de assentamentos, comunidades rurais, quilombolas e indígenas que estão cursando ou concluíram o seu curso universitário e querem ajudar outros jovens, com a mesma origem, a conseguirem dar continuidade à vida de estudante.

Será que precisamos ter um fato absolutamente pessoal para poder colocar a nossa coragem em movimento? O que é indignação? Será que v...

literatura paraibana coragem omissao indiferenca politica covardia marcia lucena bolsonaro
Será que precisamos ter um fato absolutamente pessoal para poder colocar a nossa coragem em movimento?

O que é indignação?

Será que vivemos tantos desafios e absurdos por tanto tempo que nos acostumamos e consideramos tudo normal?

Creio que algumas palavras de nosso vocabulário precisam entrar no debate a fim de que encontremos para elas um “novo” significado que seja capaz de evocar a sua essência e ao mesmo tempo invocar a coragem e a indignação própria dos atributos humanos que estão, sem dúvida alguma, entrando no que Roberto Crema chama de “normose” - uma espécie de fungo, musgo que paralisa e tira da visão esses atributos primários que antecedem a todos os outros atributos, inclusive o amor e a fé. Sem a coragem o amor vira algo distante de seu significado original, vira um conjunto de regras e padrões sociais, que aos poucos vão o empalidecendo e retirando a sua força transformadora. Sem a coragem a fé vira um instrumento de controle com base em inverdades opressoras que dão asas aos preconceitos de todas as formas…

Em tempos tão lentos, arrastados, aparentemente sem perspectivas, precisamos ter consciência de que somos seres capazes de criar! Precisam...

literatura paraibana cronica cotidiano auto ajuda recomeco terapia plantar cozinhar pintar
Em tempos tão lentos, arrastados, aparentemente sem perspectivas, precisamos ter consciência de que somos seres capazes de criar! Precisamos buscar coragem para criar o nosso presente e o nosso futuro. Entender que somos parte e que temos o poder de interferir agora em várias frentes!

A vida tem me feito refletir, pensar, sentir, lembrar. Voltando no tempo, lembro-me do café da manhã de 27 de janeiro de 1996 aqui na P...

literatura paraibana marcia lucena otimismo pitumirim conde renovacao pessoal
A vida tem me feito refletir, pensar, sentir, lembrar. Voltando no tempo, lembro-me do café da manhã de 27 de janeiro de 1996 aqui na Pitumirim

Pessoas correndo de um lado pro outro, espelhos pendurados nos diferentes cômodos da casa, crianças de todos os tamanhos correndo agitadas, enfeitadas, canecas de café com leite em meio aos pedaços de tule que sobraram dos enfeites, fitas, panos. Uns comendo, outros se penteando, se vestindo, uma mistura de cheiros na ar.

Desejos Mergulhar no talento, na missão, no que sei fazer Mergulhar na amorosidade e na entrega Nadar na direção da vida que pu...

marcia lucena desejos poesia poema literatura paraibana
Desejos
Mergulhar no talento, na missão, no que sei fazer Mergulhar na amorosidade e na entrega Nadar na direção da vida que pulsa e que se refaz Ao mesmo tempo, saber que sou um peixe capaz de olhar em toda direção Estar atenta, ciente que no mergulho não estou só Perceber, saber ver, saber nadar Há peixes de diferentes qualidades na água caudalosa do rio Existem peixes que sobrevivem comendo peixes.

Tenho visto em alguns momentos a vida passar numa rapidez perturbadora! O corpo, mais que outras dimensões da vida, acompanha o tempo. ...

literatura paraibana marcia lucena reflexoes reencontro interior encontro consigo
Tenho visto em alguns momentos a vida passar numa rapidez perturbadora! O corpo, mais que outras dimensões da vida, acompanha o tempo.

Há todos os outros benefícios advindos da maturidade, mas, as mudanças em meu corpo gritam e vão deixando evidentes as características marcadas pelo tempo.

Os jovens me oferecem o lugar para sentar, o motorista de táxi pergunta se tenho netos, as roupas vão ficando (mais rapidamente) apertadas e já não podem ser as mesmas. Passei a acordar na madrugada com todos os líquidos do meu corpo fervendo por 5 minutos,

“A gente quer viver a liberdade A gente quer viver felicidade” A liberdade e a felicidade são gêmeas univitelinas! Passamos a vida pro...

literatura paraibana liberdade felicidade marcia lucena cores vida
“A gente quer viver a liberdade
A gente quer viver felicidade”

A liberdade e a felicidade são gêmeas univitelinas! Passamos a vida procurando por elas em diferentes momentos e situações, cada fase da vida, cada idade nos deparamos com felicidades e liberdades diferentes, mas com a maturidade e dependendo das experiências de vida, entendemos que a vida é feita de várias felicidades, várias liberdades diferentes...

Tempos apressados estes que estamos vivendo... Ontem, só eu e Nanego em casa, olhando para a noite, linda, majestosa, pensei “sou livre! P...

literatura paraibana noite plantas domingo pascoa saudade marcia lucena ovo de pascoa
Tempos apressados estes que estamos vivendo... Ontem, só eu e Nanego em casa, olhando para a noite, linda, majestosa, pensei “sou livre! Penso, escrevo, leio, escuto música, desenho, danço, canto...” não tem quem me tire essa força, essa integridade que sinto, como se meu corpo e minha alma fossem uma massa de bolo — totalmente integradas, prontas para crescer!