Flávio Tavares, aos 70, se reinventa. E inventa de alcançar os limites do seu próprio tempo. Elege esses dias de pandemia para sugerir exu...

Flávio salta aos olhos

ambiente de leitura carlos romero juca pontes flavio tavares

Flávio Tavares, aos 70, se reinventa. E inventa de alcançar os limites do seu próprio tempo. Elege esses dias de pandemia para sugerir exultante grafia em forma de poesia. E colhe luz de outros escolhidos e merecidos espelhos seus.

Encanta o mar com suave clave no olhar, a saltar ao redor de espontâneo e contemporâneo altar. Onde permanece e sobrevive, em brilho e vigor, palco ou lugar, para retomar necessários e exaltados horizontes.

...
O fio do pincel se deixa vestir por admirável paisagem humana, a guardar, com carinho, esse formidável ninho, que, por vezes, oferece cor e claridade ao seu já iluminado interior. Onde flutuam vozeares e caminhares, matizes e texturas, tons e relevos, laços e brios, que vão preenchendo a tela em seus grandiosos vazios.
O desenho desafia, bem assim, lindos linhos do seu jardim. Cheio de amores e inúmeras flores, imerso em diversos aromas e inusitados sabores. A cada gota do orvalho, a ser sublinhada na aurora, o artista é alimentado por todo ar puro existente à sua volta. Que o segue e transpira, que o ergue e inspira.

Em cada canto, uma criação. Em cada gesto, uma canção. Em cada lágrima, uma emoção. Alegoria e movimento, musicalidade e sentimento. Inauditas ranhuras, benditas iluminuras. No mergulho do azul, emergem esfuziantes linhas e emocionantes silêncios, que regem o arco-íris sobre um céu, raras vezes, sombreado.

...
Sublime exercício de sacrifícios e comovidas escolhas. A todo tempo, alinhado e cultivado por efetivas e afetivas mãos, que bordam os meigos e solidários acenos de Alba e Eduardo Tavares. Porque, neles, se encontram os maiores sinais de cuidado e amor.

Infinitos ventos sopram e confessam, a cada voo e vazante, esplêndidos e maravilhosos rios. E dimensionam florescidos e incontidos caminhos, com os quais se educam valiosos modos de ser e de viver.

A espátula toma a veste do artista e o faz sonhar. E, em seguida, também, a se soltar, ensaia terno voo até onde o vento for e depois possa vir lhe devolver. Nada sai do seu lugar se não houver relevante desígnio ou, sem antes, perceber a doce sinfonia dos pássaros.

...
Itinerante e surpreendente jeito de compreender o mundo ao redor do tempo e de si mesmo. Das imensas cortinas, nos instantes mais plurais, às intensas esquinas de um cenário uno e singular. Sincero universo de ares diversos, de alianças e de outras lembranças.

A cria oferece ao criador preciosa fronteira à celebração. Igualmente, é o que sugere esse novo ciclo do seu generoso diário do olhar, sobre o qual se expressam inventivo traço e benigno desenlaço. A distinguir alma e a abonar virtuosa existência a indomados saltimbancos.

O dizer privilegiado e fascinante de Ângela Bezerra de Castro, certamente, é, aqui, mais uma vez, sublimado pelas luminosas e encantadas vozes de Gonzaga Rodrigues, Martinho Moreira Franco e Sérgio de Castro Pinto.

Ao se debruçar, suavemente, sobre as mágicas cores e o fantástico movimento da extraordinária mostra que recebera como mimo, nossa cultuada mestra não se fez de rogada: “as figuras parecem flutuar”.


Juca Pontes é jornalista e escritor
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também