Quando assisti à série da Globo " Os Dias eram assim " confesso que, no início, não suportei as cenas de tortura e tantas maldad...

Meus dias não eram assim…

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana ana adelaide peixoto tavares nostalgia anos 70 os dias eram assim serie tv globo

Quando assisti à série da Globo "Os Dias eram assim" confesso que, no início, não suportei as cenas de tortura e tantas maldades dos tempos de chumbo dos anos 70 no Brasil. Mas depois, fui me interessando mais pelas outras tramas e engolindo o soco no estômago. O título da série, uma frase de música de Ivan Lins, tem a força da memória, como se dissesse: olha! Vejam! Os dias eram assim. Todo cuidado é pouco para não repetir...

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana ana adelaide peixoto tavares nostalgia anos 70 os dias eram assim serie tv globo
Acervo Ana Adelaide
Mas, os meus dias não eram assim!

A década de 70 foi uma década decisiva na minha vida. Em 1971 fui para os Estados Unidos em intercâmbio e lá tive contato com um país onde a vida universitária era igual à dos filmes; os hippies povoavam as ruas, se fumava maconha abertamente, os estudantes usavam calça jeans rasgadas, e ouviam Hair e Crosby, Still, Nash e Young, e eu, ocasionalmente perambulava pela Columbus University. Mas era secundarista, e só por vezes me arvorava nos lugares underground, ou pelos gramados lindos e cheios dos resquícios da contracultura. Eu me interessava mais por isso. Era a revolução dos costumes que eu assistia incrédula com os meus olhos da província. A minha política!

Em 1973 casei de véu e grinalda, ouvindo "Bridge Over Troubled Water". Sonhando em conhecer o mundo, a pintar o sete, literalmente, com as palhetas domésticas, e com o tão pouco conhecimento do que seria um casamento. Era jovem. Muito jovem. Sonhava com o amor romântico. Pobre menina! Nem sabia ainda que os dias não eram assim! E gostava da Jovem Guarda e por isso era taxada de alienada. Mas sentia as carnes trêmulas com Caminhando e Cantando em comunhão com o sentimento cala a boca de um País interditado, e ficava em estado de perplexidade com os Beatles, Tropicália – Alegria Alegria e a guitarra estridente dos Mutantes. Tudo o que me importava era minha calça Lee rasgada e um desejo de mandar tudo pro inferno.


A política, para uma jovem de catorze anos (no ano que não começou), era uma ideia perto de casa, mas abstrata, representada pelos longos cabelos de Eduardo Jorge Martins, o uniforme do Lyceu em Washington Rocha, os nomes de Sérgio Tavares e Lela Melquíades, e mais ao longe de Monica Lúcia e Leda Rejane/Everardo Queiroz (elas hoje minhas amigas, e ele in memoriam!) e depois pelas pichações dos muros de Flávio Tavares.

Em 1975 fui à Londres pela primeira vez e aí o bicho pegou. Eu de longe cantarolava "London London". O exílio de Caetano era também a minha melancolia pelo não vivido. Mas eu estava embriagada por Notting Hill e Portobello Road, para pensar em política. Meus olhos se encandeavam com os espelhinhos das túnicas Indianas.
ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana ana adelaide peixoto tavares nostalgia anos 70 os dias eram assim serie tv globo
Acervo Ana Adelaide
E eu ouvia Ravi Shankar e George Harrison! Em 1977 ganhei o LP de Vitor Jara, e chorei a tortura no Chile que nos colocava em contato com o mundo ao nosso longe redor. Te recuerdo Amanda! Em 1978 – o mundo rodou. Roda viva roda pião, e em 1979 meu mundo caiu, assim, com notas trágicas de bolero, minha vida deu guinadas, e o abismo olhou pra mim. Não me importava com a política e só, e somente só, a transgressão me dizia respeito. Estava com raiva. Muita raiva, e sexo, drogas e vídeo clipes, permeavam o meu imaginário.

A década de 70 me petrificou! E lembro de cada dia e hora que ficaram no meu corpo feito tatuagem!

Anos depois, com a campanha das Diretas retornei a prestar atenção à minha volta. E a quem dela participou. Conheci José Dirceu pelas fotos, e mais tarde pessoalmente, quando já tinha filho recém nascido, e o sono falava alto. Só queria dormir! Mas por cartas eu acompanhava o desejo pelas mudanças e o sonho que estaria por vir.

Assistindo à série, senti saudades dos saraus poéticos, das loucuras sexuais acontecendo; o sonho de um país mais igualitário, o amor, o amor, o amor, as músicas de Belchior e dos festivais que eu assistia de olhos bem arregalados e cantava todas as letras como se fossem minhas – Disparada, A Banda, Teorema e outras todas.


Em 1981, no Peru, assisti ao filme "Desaparecidos" (Missing, de Costa Gravas). Saí do cinema sozinha e com medo. Muito medo. Um medo que inundava o passado e o meu presente silencioso e afastado das lutas de quem fez o movimento estudantil e político desses tempos. Saí com minha mochila para Cuzco, em busca da paz dos Incas, mas meu coração estava assombrado. Estava sozinha, fragilizada e longe de casa.
ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana ana adelaide peixoto tavares nostalgia anos 70 os dias eram assim serie tv globo
Acervo Ana Adelaide
Até hoje sinto arrepios quando lembro de mim na imensidão de Macho Picchu! Só o som da samponha me acalmava. Pouco, pouco a pouco me ha querido....eu cantava!

Enfim, não precisa você ter sido presa e torturada para saber o que era o Brasil dos anos 70. Mesmo outsider, sentíamos a atmosfera de censura e medo no ar. Tínhamos amigos envolvidos. A vida era sob suspeita. A série me trouxe lembranças vividas ou não, e chorei muito. Com Cauby Peixoto Chorei! A questão da Aids e o filme Filadélfia. Cazuza! As referências às perdas todas; físicas e subjetivas, que um dia todos tivemos. Chorei com saudades de Juca, que, de São Paulo, me escrevia sobre as mudanças, aberturas e de toda a sua alegria em participar do momento mais decisivo do país. Chorei!

E os meus dias? Nunca mais foram assim...


Ana Adelaide Peixoto Tavares é doutora em teoria da literatura, professora e escritora
COMPARTILHE
comente via facebook
COMENTE

leia também