NORDESTE O controle das pedras e ampulhetas cabem nas bordas do vento nordeste Vento e agreste, guias dos pés no sem fundo

Sertão é o meu nome

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana jorge elias neto nordeste sertao agreste caatinga
NORDESTE
O controle das pedras e ampulhetas cabem nas bordas do vento nordeste Vento e agreste, guias dos pés no sem fundo O beijo nos seios, sugar o leite salgado do azul infinito e o olhar da mãe e seu mar de ossos sertanejos Gotejar na alma este não sei o quê de sal, mórbido, verdadeiro, que canta aos ouvidos a canção de despertar para a selva Restingas, caatingas, conchas e colchas de retalhos, o beiral dos anjos desesperados, a sacrossanta fala da matriarca e um suspiro profundo ressoando no ventre morno, fustigando os olhos com um calor do saber-se terra a caminho da areia de uma praia que não é minha, de um sertão que é o meu nome.


PAISAGEM SUBMERSA
I Não bastasse o açoite do Sol no lajedo, a terra arrasada, o desconsolo, a palma, o borrego morto, o pau a pique e a trajetória salvadora da Arribaçã Não bastasse a fuga para o Sul, o pau de arara, o rugido da fome, as bonecas de ossos de minha mãe (Não bastasse chamar de vitória o reconhecimento da derrota) II A nau catarineta do apocalipse reparte o milagre: a Severina noite, a ironia, o lusco-fusco da paisagem morta III (A lágrima negra só brota nos olhos dos homens) IV A asfixia dos peixes, o piche escorrendo nos degraus dos arrecifes, a miséria dos seres de sal famintos nos berçários dos mangues, as tatuagens nos cascos, o visgo do óleo nas algas, o sem cor de um horizonte sem promessas V Que palavra colhida nessa areia pode ser pura? VI O grão é inútil se não sacia a fome e a boca seca só permite o engasgo VII O Sol sempre ferveu nesse sertão de Nosso Senhor Jesus Cristo, mas na costa, a água, se não era doce, era pura e abençoada, e contava a história de um tempo em que não se percebia que o vento movia o Mundo sobre o Atlântico VIII Essa colcha de retalhos é a pele estendida, cerzida, é a vela de uma jangada que escreve o poema cabotino na crosta de óleo, nos trapos das ondas, na consciência.


O QUE SE VÊ
Pela fresta estreita em que me permito ver a vida, insiste em me turvar a visão esta névoa contínua das minhas incertezas. O lugar do horizonte o seu próprio nome diz. Vejo apenas uma fração do nascer ou do porvir da existência. Se claro, vejo pálido; se escuro, aí vejo tudo. Tão limitada é a consciência dos seus limites que como um asno se permite tampar os olhos para trilhar seguro seu pedaço na história.



comente via facebook
COMENTE
  1. Já resenhei vários livros de Jorge Elias. Ele é sempre MUITO bom.

    ResponderExcluir
  2. Bravo Jorge Elias!!!
    Ótimas!!! ...Inspirações Nordestinas!
    Parabéns👏👏👏

    ResponderExcluir

leia também