Parte II - O Açude Velho O garoto tinha atingido o alto e já não estava longe de casa, sendo-lhe inútil agora correr ou apressar o pas...

A Caieira do Vivente (Parte II)

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana alberto lacet caieira do vivente sociologia humana exploracao trabalho vida floresta
Parte II - O Açude Velho

O garoto tinha atingido o alto e já não estava longe de casa, sendo-lhe inútil agora correr ou apressar o passo, pois estava ensopado, fora alcançado pelo temporal no meio do caminho, onde se pôs às pressas depois que o homem, quase gritando lhe ordenara correr para casa Senão vai adoecer e sua tia põe a culpa em mim / não se esqueça da panela Debaixo do que parecia ser o céu se abrindo e fechando em questão de segundos, produzindo interferências no som apenas para não deixar escapar mais que estilhaços de ira vocálica, de imprecação escandalosa e fragmentada, e isto numa escala de som quase insuportável – brados terríveis, entrecortados, de algum deus antigo e esquecido, mas que dele não fosse aquilo resultado de nenhuma ação presente, mas apenas o eco ou memória virtual auditiva de situações remotas e incompreensíveis, sendo as falhas de voz defeitos naturais de registro, causados pelo tempo.

Um pouco tremendo de frio, com a panela entre as mãos, parou e voltou-se meio que de lado, girando a cabeça para olhar o que tinha deixado para trás. Dali podia ver a baixada, um pequeno vale irregular e esburacado que resumia quase todo conhecimento que tinha do mundo. Durante os estios o lugar virava uma espécie de olaria pública, mas, com as chuvas, logo se transformaria, para ele, num irresistível caldeirão de vida ativa e diversificada: era o seu tão querido Açude Velho.

A subida terminava ali, diante de uma fileira de quintais de muro alto, todos com seu longo portão de tábuas encravado sob o pórtico – um dente na linha superior do muro ( esses portões viviam sempre fechados por causa dos animais criados em quintal). Do lado oposto do vale, uma serra restringia de imediato o horizonte, deixando entrever grandes lajedos e rochas (como grandes retábulos brancos, que permanecessem sempre indevassados pela vegetação), mas a visão agora era confusa com a cornija de água lhe abatendo os cílios, e o vale lhe pareceu uma depressão difusa e emaranhada sob a cortina de chuva.

Por algum escrúpulo próprio dos muito jovens, o garoto não queria dar a entender que observava o amigo, mas mesmo assim libertou uma das mãos e passou-a no rosto, em seguida, mantendo os olhos entrecerrados voltou-se de vez para o vale. Mas, num primeiro momento, tudo que consegue distinguir – um pouco abaixo de onde se encontrava – é o velho e enorme trapiazeiro, cercado de penhas, a debater-se soltando folhas ressecadas na direção das pancadas de vento. No entanto, um pouco mais além, a perder-se no vale, não havia bem como distinguir as coisas. Mas os trovões agora repercutiam afastados. O garoto correu então para debaixo do grande sapotizeiro que estava a sua direita e ali ficou, tentando ver melhor.

A seus pés, os iniciais filetes de água que se formaram na direção abaixo já não eram divisíveis, a água agora descia numerosa e violentamente salpicada pela chuva em busca dos poções, uma grande parte dos quais até bem pouco tempo, ressecados. O garoto sabia que logo estariam cheios, pois na margem oposta do vale a afluência era ainda maior, havia mesmo uma cachoeira lá, à altura de onde naquele momento deveria estar o amigo, ressurgindo sempre nas chuvas mais fortes. Pela ação e força dos ventos, a paisagem parecia sufocar por trás de várias camadas de cortinas corrediças. Num momento de maior concentração, porém, consegue distinguir a caieira.

Na realidade, uma pequena montanha de tijolos com mais de dois metros de altura e quatro de comprimento, a metade disso na largura, porem a visão que tinha dali dava para essa dimensão menor, e com aquela massa de água interpondo-se, não passava de um ponto acinzentado, querendo sumir da visão. Mas quanto ao amigo, pelo visto, desaparecera completamente.

Naquele momento, porém, o aguaceiro emprestava uma claridade tardia e inesperada ao vale, um último revérbero que não deixava dúvida quanto ao que estava por vir: a noite cairia rápido. O menino lembrara-se de que a tia lhe havia dito para não ficar embaixo das árvores em céu relampejante, mas agora os raios faiscavam distantes, nos limites para onde a chuva parecia estender-se.

O garoto tinha então um sentimento dúbio diante do acontecido, de um lado sabia que o amigo não teria como lhe pagar a semana de trabalho sem a venda dos tijolos, conforme o prometido, de outro, estava feliz com a volta das chuvas: elas tinham o poder de rapidamente transformar aquele pequeno mundo em ocasiões riquíssimas de surpresas, em fatos novos e surpreendentes que se dariam bem debaixo de seus olhos. É que as águas se juntariam lá embaixo e logo aquilo seria um lugar de banhos intermináveis, um lugar para minhocas e varas de pescar, para brincadeiras e disputa de habilidades dentro da água.

Aquilo o deixava feliz, pois – sabia – as melissas, os marmeleiros, logo estariam interrompendo os caminhos. Canafístulas se debruçariam à sua passagem, e também as faveiras-do-mato, que agarram nas roupas.

O ar seria insistentemente cortado por rápidas lavandeiras, papa-capins, pássaros-de-arroz e uma infinidade de outras aves.

De manhãzinha os porcos sentiriam o cheiro viçoso das beldroegas e romperiam as varas do chiqueiro para vir fuçar por ali. Cães magricelas, de terreiro, possivelmente deitados próximos de algum monturo para aproveitar o calor de uns restos de brasas ali atiradas, pressentiriam no ar que havia algo de errado com aquilo e latiriam para eles, mas seriam ignorados.

Como de costume, em manhãs estivais as donas-de-casa soltariam seu plantel de aves por algumas horas para que caçassem larvas e bicassem sementes de melões-de-São-Caetano, e durante os intervalos elas ficariam catando pelo chão as melhores pedrinhas para reforçar o trabalho digestivo de suas moelas.

Um galo caminharia imponente e algo pensativo entre elas, erguendo hesitante uma das patas e demorando a repô-la no chão, mas arrancaria de repente numa corrida desajeitada e logo teria um louva-a-Deus preso no bico.

Possivelmente, uma das galinhas iria ciscar embaixo do cercado de avelós e poderia ocorrer de ali localizar uma suculenta minhoca, mas teria que ser rápida com isso, se quisesse garantir sua refeição evitando uma disputa acirrada com as outras.

Os pequenos cachorros-d’água, de ordinário abandonariam sua hibernação subterrânea e iniciariam uma corrida para a água, mas teriam de escolher boa hora para isto: de preferência uma em que não tivessem que passar pelo crivo de aves que espreitam em locais privilegiados - um anum ou cancão -, ou pela curiosidade de algum menino intrigado com o que havia de familiar naquela forma.

Mal os poções emendassem uns nos outros, e a linha d’água fosse subindo até quase encostar nos primeiros galhos do trapiazeiro, os sapos e rãs já teriam iniciado a sinfonia do amor que seria ininterrupta durante os primeiros dias e noites, e mais escassa e prudente depois do baile inicial de acasalamento, quando a Grande Gia haveria de encontrar seu apertado refúgio de mãe futura em alguma fenda de rocha às margens do açude: em lugar assim seus desafetos naturais poderiam ouvir um coaxar ocasional e até perceber um brilho de olhos no escuro, mas não saberiam como fazer para que saíssem de lá.

Do outro lado do vale não moravam pessoas, e por isso as coisas por lá seriam menos previsíveis, os personagens menos corriqueiros.

O elegante e rápido bico-doce serpearia por lá sem jamais dá qualquer chance as baleeiras dos meninos, que se contentariam em tentar alvejar lagartixas.

Um misto de dragão e crocodilo em escala reticente – o tejuaçu –, faria cuidadosa aparição com sua incansável língua testando as possibilidades do meio-dia, e caso não houvesse pelas imediações alguma espingarda de soca, viria beber naquela margem mais profunda. Cágados dormitarão ao sol nas pontas de pedra que ficam à tona d’água, próximas à margem, para acumular o calor que lhes permitirá uma noite inteira no fundo lodoso. Estarão com isso, sem saber, testando o fôlego de algum banhista que mergulhará distante, virá por baixo da superfície e subirá rente às pedras numa tentativa, quase sempre frustrada, de conseguir lhes por a mão nos cascos antes que percebam qualquer coisa e se deixem escorregar de volta para a água.

Um pequeno pégaso negro a que chamam cavalo-do-cão – pequeno para tanto, mas enorme em se tratando de um inseto –, com seu vôo baixo e em círculos, certamente irá meticulosamente esquadrinhar uma área próxima, vistoriando entre caules encrespados de gravatás e bromélias, e não raro será posto a correr dali por um dos bravos mangangás que nunca aceitam ser importunados – mas não cessaria o incansável voejar antes de localizar a negra tarântula que lhe é o secreto motivo de tanta atividade, imobilizá-la numa certeira aguilhoada, e depois, sobre ela, fecundar seus ovos.

Ao crepúsculo da noite, estranhos sons subiriam do lago e seus arredores para avisar-lhe, a si ou a algum outro retardatário, que era a hora de abandonar o local, e, caso o aviso não surta efeito, de qualquer maneira as levas de invisíveis mosquitos acabarão por convencê-lo de que não existe hora melhor para deixar o ambiente em paz. Mas nem isto seria o bastante para que aves aquáticas – galinhas-d’água, mergulhões – se sentissem mais seguras para procurar seu jantar em outro lugar que não fosse um extremo de margem mais afastada, movendo-se cautelosas entre caniços, no meio do capinzal semi-submerso, ou por trás de alguma moita de mufumbos, quando em rápidos mergulhos levariam alvoroço e privariam de sono os cardumes de pequenos peixes – piabas, condelos, suvelas –, que provavelmente não tinham como saber que aquele não era o melhor lugar, nem o momento ideal para sua merecida letargia restauradora de forças.

Com um pouco de sorte voltaria a ouvir na noite o berrar monocórdio e meio que nasalado da enorme cobra-de-veado, uma voz que lhe pareceria monótona e distante, algo afeminada e cheia de inconfessáveis propósitos, quando novamente o amigo lhe chamaria para ver mais próximo (e como num sonho) aquele corpo que viera dos lados da serra - o bojo engrossado das recentes presas devoradas. Tornaria a ver, quem sabe, aquele rolo sinuoso, fantasticamente sinistro e amarelado à luz da lua, e que seria visível pendente dos galhos negros do trapiazeiro parcialmente submerso, e a hum palmo ou dois do espelho imóvel da água.

O amigo. Voltou a lembrar-se dele. Mas agora tinha que correr para casa, anoitecia rapidamente.
Leia a Parte I aqui
(continua no próximo capítulo)

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!

leia também