Juntar a turma, vestir a melhor roupa, contar os trocados para pagar a meia entrada de estudante, entrar na fila, passar na roleta e corre...

Cineminha de domingo

literatura paraibana cinema domingo recordacao filme
Juntar a turma, vestir a melhor roupa, contar os trocados para pagar a meia entrada de estudante, entrar na fila, passar na roleta e correr para conseguir um bom lugar, torcendo para não sentar desavisadamente em um chiclete. Ah! Como era bom um cineminha de domingo nos antigos cinemas de João Pessoa (não tão antigos como os pioneiros Metrópole, Santo Antônio ou Brasil). Cito especialmente Municipal e Plaza. Um programa com cheiro de adolescência.

Opções? Poucas. O Municipal e o Plaza eram realmente os mais frequentados, pois, na década de 80 e início dos anos 90 eram eles que concentravam as novidades cinematográficas, as películas mais badaladas. Às vezes, os 'lançamentos' demoravam um pouquinho a chegar em telas pessoenses. Mas não era o mais importante, porque isso só ampliava a expectativa e a voracidade para digerir o filme e todo o ambiente de magia que cercava os cinemas.

Além de Municipal e Plaza tinha ainda o Rex ali pertinho, na esquina com a Igreja da Misericórdia, casa das produções de artes marciais e dos pornôs, que tinham seus públicos fieis. Já o Cine Tambaú, no hotel famoso, era aonde os chamados "filmes de arte" eram exibidos. Todas as salas do Grupo Luciano Wanderley. A exceção era o Cine Bangüê do Espaço Cultural com um cardápio que fugia ao roteiro comercial e especialmente das produções hollywoodianas.

E cada cinema com sua própria característica. O municipal, na Rua Visconde de Pelotas, foi construído aproveitando o declive da Rua Barão do Abiahy, à sua lateral, descendo rumo a Lagoa. Com cerca de mil lugares, ele tinha a particularidade de possuir as cadeiras com forros com listras azuis e brancas, semelhante a um pijama. Foi ali que assisti de preciosidades como "A Noviça Rebelde", ainda criança nos anos 70, passando por obras impactantes como "A Lista de Schindler" e outras, eu diria, que não valiam o ingresso pago.

literatura paraibana cinema domingo recordacao filme
Já o Plaza, também na Visconde de Pelotas, em frente ao Ponto de Cem Réis, oferecia uma charmosa sacada, um primeiro andar. Nele curti as brincadeiras musicais de "Os Saltimbancos Trapalhões", a ficção científica "O Exterminador do Futuro" e dei boas risadas com "A Volta dos Mortos Vivos", o que seria um programa de domingo recheado de sustos, medo e terror.

O Rex partiu para virar uma agência bancária sem que eu o experimentasse. Ao Tambaú fui poucas vezes, mas guardo a lembrança os belos dramas, como o mexicano "Como Água para Chocolate" e o neozelandês "O Piano".

A versão antiga do Bangüê, já na época de universitário do início dos anos 90, possuía cadeiras estilo espreguiçadeiras capazes de fazer o espectador dormir se a película não fosse realmente boa. Ali deliciei-me com filmes de profunda poesia como o japonês "Sonhos" e a aventura literária francesa "Cyrano de Bergerac".

E a degustação cinematográfica se estendia após a exibição dos filmes, sobretudo na época do Municipal e do Plaza. A volta, a resenha com os amigos sobre o roteiro, das cenas, dos atores. Se era fim de julho e início de agosto, nas férias escolares do meio do ano, havia até uma esticadinha da tradicional Festa das Neves de outrora. Aí já é tema para outro roteiro.


comente

leia também