Dentre os andarilhos das ruas centrais, mais precisamente na Miguel Couto, distingui Gerilo. Nome esquisito. Orientado por uma mulher, t...

Gerilo, de passagem

literatura paraibana jose leilte guerra personagem de rua gerilo
Dentre os andarilhos das ruas centrais, mais precisamente na Miguel Couto, distingui Gerilo. Nome esquisito. Orientado por uma mulher, talvez esposa. Próximo a mim, quem me iniciara no catecismo. Soubera, há tempo, que ele havia pendurado a batina de cor preta.

Até hoje, me arrependo em não haver tocado as suas mãos, naquela passagem. Gerilo sumiu na multidão. Mas está comigo na memória: ele acaba de chegar à sala de aula do curso primário. Grupo Escolar “Thomaz Mindello”. Todos nós, crianças, de pé, fazendo o sinal-da-cruz, recitando o Pai Nosso e a Ave Maria.

Gerilo, embora meio carrancudo, era simpático em certas tiradas, contava anedotas limpas para relaxar, conseguia atrair a meninada ao Cristo sem colocar na coroa dele mais espinho. Levava o corpo magro a passear entre as carteiras, brincando com algum aluno, sob pretextos diversos. Ficávamos admirados com a simplicidade daquele moço enfiado no peso do luto ao mundo. E o mais curioso: a rodelinha feita na parte posterior da cabeleira, como mandava o costume clerical de então (a tonsura).

Gerilo nos falava dos novíssimos (céu, purgatório e inferno) de forma pedagógica e adequada à idade que tínhamos. O paraíso era descrito com convicção; nos trazia um quase “êxtase”; os outros, penalidades, não nos mexiam as emoções pelo medo. Falava às nossas alminhas com delicadeza, com sabedoria. Nada de fogo exagerado, nem de sublimidades ingênuas: a verdade doutrinária sem exagero. Assoviava, cantava hinos, rezava um mistério do terço. Depois saía leve, a passo de anjo, deixando-nos calados, meditativos, como que banhados em rio calmo. Parecia que no ar respirávamos gotículas de Deus.

Quando o encontrei na Miguel Couto, ele estava cego, caminhando entre a multidão circunstante: o mesmo Gerilo, embora idoso, capaz de me fazer voltar a relembrar sua bondade. Retornei a escutar os ensinamentos do catequista. Ele plantou sementes para o crescimento deste cristão: operou o milagre, fazendo-me fã incondicional do Homem de Nazaré. Deveria ter dito isso a Gerilo, de passagem.

comente
  1. Bravo José Leite Guerra.. fizeste um depoimento que lhe fez bem reviver!! para agradecer.
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir

leia também