O Zé Lins e o Zé Américo Trocaram correspondências Vasta documentação São cartas, experiências Dois amigos literatos Que merecem reverênci...

O grande encontro dos Zés

literatura paraibana jose americo almeida jose lins rego menino engenho bagaceira
O Zé Lins e o Zé Américo Trocaram correspondências Vasta documentação São cartas, experiências Dois amigos literatos Que merecem reverências.
Raniery Abrantes

As mãos da sinceridade apontam para um alvo em comum e desenham um bem maior em direção à singularidade. Da mesma forma que a beleza bem se encontra e se expressa nos grandiosos e dadivosos olhares da simplicidade.

E foi isso que, mais uma vez, aprendemos e depreendemos, vislumbramos e nos deparamos, durante encontro da genialidade com a generosidade, entre dois dos mais reverenciados e cultuados escritores brasileiros, nascidos e criados em fértil solo paraibano: José Lins do Rego e José Américo de Almeida, autores de Menino de Engenho e de A Bagaceira, suas obras mais famosas.

literatura paraibana jose americo almeida jose lins rego menino engenho bagaceira
Meninos de engenho, homens das letras. Encantado ambiente de aproximação entre o sentimento e a lavra, o pensamento e a palavra. Da pródiga inspiração com a extraordinária escrita. Do passado com o presente, do futuro com o exercício cotidiano. Não é todo santo dia que alcançamos tamanho privilégio.

Uma verdadeira aula de musicalidade e boa vontade, debate e leveza, largura e grandeza, descoberta e riqueza, gestos e delicadezas. De oratória e pertencimentos, história e alinhamentos, memória e conhecimentos. Tudo sublinhado e sublimado com os majestosos rios e caminhos trilhados por essas duas grandiosas vozes literárias.

literatura paraibana jose americo almeida jose lins rego menino engenho bagaceira
A iniciar com incrível escolha da trilha sonora de abertura e a presidir as falas em novíssimos tempos de live. Em primeiro plano, veio por meio de imprescindível saudação dos gestores das duas casas de Zés, Fernando Moura e Pedro Santos, fundações que levam e elevam os nomes de Zé Américo e de Zé Lins, até à sonoridade mais próxima a abeirar-se aos nossos ávidos ouvidos.

Oportuna e importante convivência institucional a propor diálogo fluente e permanente, aberto e sincero, sem censura ou amarras, com a nítida intenção em discutir, preservar e valorizar a essência da nossa escrita paraibana. Cada uma à sua maneira de ser e ver, cada uma com a sua peculiar missão de vida, cada uma com suas estações voltadas à política cultural em nosso Estado.

Formidável parceria a firmar e a afirmar inúmeros e indispensáveis valores que regem e norteiam, fomentam e estimulam, engrandecem e educam. Apegos e sossegos, estímulos e estimas que só fazem enobrecer o conteúdo social de um povo soberano. Por fim, julgamentos e entendimentos que florescem e se identificam com os traços e signos do nosso tão iluminado chão nordestino.

Duas casas, dois horizontes. Um só pensamento, um só diapasão. Trilhando por uma só e única direção. Porque bate um coração com a mesma vontade de seguir por correntes de igualdade. Com a responsabilidade de quem sugere compromisso com o outro, com idêntica solidariedade de quem tem atenção e respeito aos imperiosos desejos e acenos do seu semelhante.

literatura paraibana jose americo almeida jose lins rego menino engenho bagaceira
A encantadora fala da professora Janete Lins Rodriguez nos presenteia com memorável viagem assinalada e bordada com os fios da íntima e carinhosa troca de correspondência entre os dois autores, ao longo de suas existências. Por meio dela, testemunhamos profunda amizade solidificada com sinceridade, respeito e admiração. E vai mais além, quando percebemos inumerável registro de elogios proferidos e auferidos por ambas as partes.

O futebol é um dos temas escolhidos pelo jornalista e poeta Edônio Alves para reverenciar e enveredar pela obra do autor de Fogo Morto. A paixão pelo futebol e depois pelas cores e símbolos do Flamengo estão presentes na sua obra, quer seja nas leituras por ele observadas em Água-mãe e Eurídice, quer seja nas crônicas esportivas publicadas em jornais da época e que resultaram na edição da coletânea Flamengo com amor.

A arquiteta e curadora Valéria Veras, neta do escritor José Lins do Rego, também flamenguista de coração, nos sugere um ineditismo nordestino em referência a outras regiões do país. Nas palavras motivadas por seu pensamento, esse Brasil contemporâneo, urbano e rural,
encontra no pulsar e nos traços de Zé Lins substratos da genealogia brasileira, pela qual se faz renascer, a um só tempo, em um mundo regionalista habitado de corpo e alma por histórias reais.

E tudo isso é finalizado com esplêndido recital concebido a quatro vozes, olhares e mãos. Os bardos Raniery Abrantes e Beto Cajá abrilhantaram o lugar e brindaram a todos com intensa performance literária, em torno da memória desses admiráveis Zés que a Paraíba tem, acarinha e preserva com extraordinário orgulho. “São dois Meninos de Engenho/Juntos em belo painel/O nosso José Américo/Pra quem tiro o meu chapéu/Também José Lins do Rego/Que decanto em meu cordel”. Nas belas quadras extraídas da verve inventiva do poeta Raniery Abrantes.

A desembaraçada e segura mediação do jornalista Jamarri Nogueira haveria de oferecer ponto alto ao acontecimento, advinda de sua natural familiaridade com o ambiente virtual, não bastasse essa reconhecida espontaneidade dedicada aos convidados e prevalecida por todo o curso das ideias e conversações.

Por trás das câmeras, cultivado elenco tracejara virtuoso cenário, ao mesmo tempo em que delineara tão merecido espetáculo. Nadígila Camilo e Tatiana Cavalcanti, cada qual a seu tempo, se esmeraram no esboço desse magnífico roteiro literário, na boa companhia de todos aqueles que acreditaram ser possível esse momento.


comente
  1. Parabéns Juca Pontes pela feliz união desses iluminados Paraibanos "Literatos"... que marcaram profundas presenças!!!
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir

leia também