A singela exortação que agora farei será destinada a uma querida amiga. Uma amiga especial. Criar vínculos sinceros, ou melhor dizendo, ser...

A uma querida amiga

literatura paraibana amizade gratidao sinceridade
A singela exortação que agora farei será destinada a uma querida amiga. Uma amiga especial. Criar vínculos sinceros, ou melhor dizendo, ser presenteado de forma construtiva, com afetos, deve sempre ser dividido e divulgado. Existem gestos que não são inesquecíveis e essa história é uma delas. Estando acamada em virtude de um sarampo ainda mocinha, uma amiga ficou tomando conta de mim. Mamãe trabalhava nos dois expedientes e eu me encontrava sozinha. Aquele gesto espontâneo de boa vontade, gesto que veio do coração, guardo comigo até hoje. Nossa amizade permanece cultivada depois de décadas. Nossas vidas evoluíram, como é natural. Amadurecemos, mas nosso bem-querer continua genuíno, permanecendo incólume e sem mácula.

Cuidar de um amigo pelo simples fato de querer ajudar é um sentimento nobre de doação e desprendimento. Transformamo-nos em verdadeiros parentes, irmãos queridos e leais.

Um amigo verdadeiro permite que sejamos nós mesmos. Sem nenhum receio de sermos julgados, retiramos nossas máscaras e nos entregamos à sinceridade e confiança. Não há controles ou preocupações em mostrarmos nossos defeitos e medos. Usufruímos de fraternidade e compreensão.

Aristóteles (384 - 322 aC) definiu três tipos de amizades: A amizade baseada na utilidade, que existe em função dos benefícios advindos da aproximação. O segundo tipo de amizade conforme o filósofo, é baseada no prazer. Ou seja: Somente me aproximo do amigo com interesses de diversão. Não há o real interesse pela pessoa (amigo). Discutir dramas pessoais não está incluso nesse tipo de amizade. O terceiro tipo é a amizade baseada na virtude. Amigos que surgem por sentimento puro e sintonia. Desejo o que for bom para ti, porque te quero bem.

Em circunstâncias diversas, em diferentes épocas, encontramos maravilhosos amigos de passagem; efêmeros, e que ao mesmo tempo nos foram tão caros e queridos, ao se comportarem conosco como verdadeiros anjos da guarda. Mesmo conhecendo nossas particularidades e fraquezas, são leais. Afinidades que agregam valores e tornam a vida mais leve.

Amigo é aquele que te põe pra cima em horas de dificuldade; que divide bons e maus momentos reciprocamente.

Considero a amizade entre crianças as mais pura de se encontrar. Nela há conforto e certeza, uma perfeita simbiose entre um ser humano e outro. Amigos pelo simples fato de estarem juntos dividindo bons momentos.

literatura paraibana amizade gratidao sinceridade
"E um jovem disse: Fala-nos da amizade.

E ele respondeu dizendo:

O vosso amigo é a resposta às vossas necessidades. Ele é o campo que cultivais com amor e colheis com gratidão. É o vosso apoio e o vosso abrigo. Pois ides até ele com fome e procurai-o para terdes paz. Quando o vosso amigo fala livremente, vós não receais o NÃO, nem retendes o NÃO.

E quando ele está calado o vosso coração não deixa de ouvir o coração dele, pois na amizade, todos os pensamentos, todos os desejos, todas as esperanças nascem e são partilhadas sem palavras, com alegria.

Quando vos separais de um amigo, não fiqueis em dor, pois aquilo que mais amais nele tornar-se-á mais claro com sua ausência, tal como a montanha, para quem a escala é mais nítida vista da planície.

E não deixeis que haja outro propósito na amizade que não o aprofundamento do espírito. Pois o amor que só procura a revelação do seu próprio mistério, não é amor mas uma rede lançada que só apanha o que não é essencial.

E deixai que o que de melhor há em nós seja para o vosso amigo. Já que ele tem de conhecer o refluxo da vossa maré, que também conheça o fluxo. Pois para que serve o vosso amigo se só o procurais para matar o tempo?

Procurai-o também para viver. Pois eles vos preencherá os desejos, mas não o vazio. E na doçura da amizade que haja alegria e a partilha de prazeres. Pois são nas pequenas coisas que o coração encontra a frescura da sua manhã
."
Khalil Gibran (1883-1931)

COMENTÁRIOS

leia também