A boçalidade sempre foi um eficaz instrumento para tomada e manutenção do poder. Defendendo posições insustentáveis perante a razão e a c...

A sociedade do medo

literatura paraibana politica tirania medo repressao passividade
A boçalidade sempre foi um eficaz instrumento para tomada e manutenção do poder. Defendendo posições insustentáveis perante a razão e a ciência, de uma forma geral, os boçais se valem da agressividade para tentar impor medo e assim fragilizar o poder de reação dos que se colocam em situação de divergência ao que praticam ou falam. Destilam ódio e ressentimento a todo instante. Estrategicamente tentam incutir na população a sensação de insegurança, levando-a a viver em permanente estado de alerta em razão das ameaças propagadas. Alteram a realidade dos fatos com o propósito de se apresentarem como “salvadores da pátria”.

Induzem ao pânico e desconsideram a ética. Constroem inimigos de acordo com as suas conveniências políticas. A intenção é formar uma opinião pública submissa e dominada, incapaz de exercer qualquer ato de contestação.
E, por isso mesmo, se tornando cruel e preconceituosa. Inserir o medo, portanto, é essencial para utiliza-lo como recurso para a implantação de um estado de exceção e mecanismo de ampliação de poder e controle das massas.

Maquiavel dizia que o “príncipe deve instigar o medo nos seus súditos, pois o temor é mais potente e duradouro que o amor, já que os homens têm menos escrúpulos em ofender quem se faz amar do que quem se faz temer, pois o amor é mantido por vínculos de gratidão que se rompem quando deixam de ser necessários; mas o temor é mantido pelo medo do castigo, que nunca falha”. Procuram legitimar o autoritarismo e arbitrariedade contra a sociedade. Perigos ilusórios são criados com o intuito de manipular a população em favor dos interesses de grupos dominantes.

Insistem na retórica de que o “inimigo” tem que ser combatido por meio de forças dotadas de violência e de restrição de liberdades. Exploram a histeria coletiva pela ditadura do medo, em nome de uma proteção que não existe. A intimidação é uma velha arma para que os autocratas imponham seus ditames.

É importante, então, que a sociedade reaja e saia desse estado de medo que teimam em estabelecer. A luta dos boçais é fazer com que a população assuma postura de passividade, impondo falsas ameaças.


DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!
  1. A criação de perigos e inimigos imaginários esteve sempre na linha de frente daqueles cuja meta de poder passa longe de educar e trazer progressos para a massa expoliada de seus direitos

    ResponderExcluir
  2. Rui Leitão nos traz mais um estudo sobre a natureza humana. Desta vez muito corajoso, pois boçalidade e violência estão em cartaz nos nossos cinemas. Por sua conta, educação, cultura, e até mesmo faixa para pedestres encontram-se ameaçadas no nosso país, por serem consideradas manifestações de fraqueza.
    Aplausos para o Ambiente de Leitura pela coragem e respeito aos seus autores e leitores!

    ResponderExcluir

leia também