No começo, tudo era superstição, lendas e religião. Assim era o mundo antes dos gregos do século VI a.C. Como o milagre se deu permanece a...

O mistério do uso da razão

literatura paraibana filosofia grecia antiga
No começo, tudo era superstição, lendas e religião. Assim era o mundo antes dos gregos do século VI a.C. Como o milagre se deu permanece até hoje um grande mistério. Chineses e babilônios, além dos antigos egípcios, eram mais evoluídos naquela época. Suas civilizações eram mais vastas e pujantes do que a sociedade grega.

Sua tecnologia era superior. Seu conhecimento de matemática era mais profundo e abrangente. Os gregos estavam muito aquém dessas civilizações: não sabiam prever eclipses, não tinham a incrível engenhosidade para construir pirâmides, esses colossais monumentos que até hoje intrigam boa parte dos historiadores e arqueólogos.

literatura paraibana filosofia grecia antiga
Filósofos da Antiguidade: Tales, Pítaco, Heráclito, Zenão, Crisipo, Sócrates, Demócrito, Platão, Aristipo, Antístenes, Aristóteles, Aristômaco, Diógenes, Carnéades, Dionísio, Posidônio, Sêneca, Apuleio, Apolônio, Rústico. J.W. Cook, 1825
O milagre do uso da razão e da observação, livre das especulações metafísicas que até então rondavam outras culturas e civilizações, é um dos grandes enigmas da humanidade. A racionalidade conquistou seu espaço de forma permanente com os fabulosos gregos antigos. Surgia a filosofia, a forma mais perturbadora do pensamento humano.

Houve fenômenos outros que atestam que a sociedade grega era de fato ímpar: como pôde, no espaço de uma única geração, a tragédia grega evoluir de uma ritualística religiosa primitiva e rígida para uma sofisticada dramaturgia, formalmente pouco alterada até hoje? Como pôde a filosofia ter início por volta de meados do século IV a.C. e, no final do século seguinte, já produzir um gênio chamado Platão (para muitos o seu expoente máximo)?

A busca incessante do conhecimento como ferramenta para tentar compreender toda a sorte de questionamentos realizados pelo homem teve, a meu ver, o mesmo impacto que o monólito presente no magistral 2001, A Space Odissey (refiro-me ao filme de Kubrick – poesia em imagens -, e não ao livro de Arthur C. Clarke).

O enigma persiste. O espantoso florescimento da cultura grega, reconhecido por muitos como o marco fundamental da cultura ocidental, é algo que mantém, até nossos dias, uma aura de mistério, encantamento, perplexidade.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!

leia também