O sol mal nascera e a calçada do laboratório já compacta, sem uma frincha onde imprensar o carro. Isso em frente à Lagoa, onde parar é pro...

Calculei mal

O sol mal nascera e a calçada do laboratório já compacta, sem uma frincha onde imprensar o carro. Isso em frente à Lagoa, onde parar é proibido. Saí rodeando e acostei à primeira sombra da calçada que dobra e segue em direção ao Cassino. “Não será um mau negócio ir por dentro, pisando na grama, repassando anos e anos de andares e atenções quase sempre pressurosos, que não davam chance a reparar nas árvores, no verdadeiro sentido do parque”.

Agora as contemplo. E o faço sem nenhum inconveniente. Sem a pressão da hora para alcançar o almoço do pensionato. Sem qualquer cuidado com a grama ou a quebradeira de ramos e galhos que resultariam da grande concentração camponesa desembarcada na estação, saindo rua acima para converter um dos mais belos parques do mundo num grito de anfiteatro pela Reforma Agrária. Isso foi em 1962, a reforma vindo de cima para baixo ao encontro da revolução social.

Saio por dentro, devagar, pisando na grama. Descubro que a prefeitura está fazendo corpo mole em deixar que armem barracas em forma de toldos contrariando o propósito da gestão anterior. Daqui a pouco passam a barracos e quiosques de madeira e alvenaria.

Mas o teto alto do oitizeiro, do pau d’arco, da gameleira, de um gigante com folhas largas rajadas de vermelho que não sei se castanhola me eximem do pensar pequeno.

Não é sem motivo que o Parque Solon de Lucena seja o cartão postal de João Pessoa assim escolhido pela surpresa manifesta dos seus visitantes.

Onde parei, agora, fui obrigado a fazer o mesmo por ordem de Moacyr Werneck de Castro, que nos visitava. Não precisa dizer ao leitor quem era esse jornalista das mesmas redações
e ideias (ele mais aberto) do autor de Memórias do Cárcere, o inabordável Graciliano Ramos.

Alceu Amoroso Lima, como tenho lembrado repetidamente, comparou nosso parque aos mais ilustres do mundo. Ao belo ele acrescentou o ilustre por ser distinto. Avista-se de uma vez, não por ser pequeno, mas por ser harmônico. Mesmo assim, tem suas fases de desprestígio, para não dizer abandono. Com a última reforma voltou ao desfrute popular, não só como parada de ônibus mas como espaço de lazer, de piqueniques domingueiros e de contemplação.

No bosque de pau-brasil de onde não sinto a menor pressa em deixar, plantado há quarenta anos na reforma de Hermano Almeida, dou com a vista num pequeno suporte com placa de metal de bordas já bem estragadas, que me obrigou a voltar ao carro e copiar o que lá encontrei:

“A Prefeitura de João Pessoa, em nome do povo da cidade e em respeito à história, outorga esta homenagem ao ex-prefeito Hermano Augusto de Almeida. A sua gestão ética, preocupada com o meio ambiente, o planejamento e a valorização do bem público, o destaca entre todos que conquistaram o direito de ser prefeito desta Capital. Em 2 de janeiro de 2006 (Ricardo Coutinho)

Parece exagero, mas um gesto, às vezes, vale mais que um viaduto.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!

leia também