Há momentos em que podemos nos dar ao luxo de pensar sobre o porquê de determinados acontecimentos ocorrerem em uma época, ano, ou em um ...

Caminhos da arte

arte atual conflito classica moderna
Há momentos em que podemos nos dar ao luxo de pensar sobre o porquê de determinados acontecimentos ocorrerem em uma época, ano, ou em um período qualquer da vida.

É comum pensar que a manifestação artística, tomando como exemplos a música e a literatura, vivem um declínio relativo com o que já foi produzido em determinado tempo, usualmente vinculados aos nossos tempos de juventude e estabelecendo esta fase como um marco imbatível de criatividade.

CC0
É comum também ouvir alguém comentar “que no meu tempo a produção musical era mais rica do que hoje”. E estes critérios de julgamento ocorrem em fases da vida em que o consumo destes produtos no plano individual já não ocupam a mesma atenção e tempo que ocupavam no passado.

Há um descompromisso ou progressivo desinteresse com as novas produções resultantes das mudanças ocorridas pelas alterações dos valores e das percepções de novas realidades. Isto ocorre em maior ou menor grau seja a obra produzida por definição “erudita” ou “ popular”.

Assim pensado, isso evoca uma melhor educação para poucos, se comparada ao nivelamento por baixo do produto de consumo de massas, sem o rigor à luz de avaliações que considerem as mudanças sociais e políticas nas quais estão inseridas na história.

Visto desta forma, o julgamento do que é arte, de boa ou má qualidade, traz, à primeira vista, inegáveis componentes pré determinados em suas análises. Julgamentos, dos quais poucos escapam, vão se reproduzindo nas gerações seguintes sempre em detrimento do que venha a ser criado posteriormente.

CC0
Seriam eles legítimos? Criteriosos? Verdadeiros? É relevante questionar que a massificação da produção artística segue quase sempre o caminho inverso da sua qualificação?

Sejam as respostas sim ou não, estaremos presumindo o fim da arte como meio de elevação espiritual do homem? Ou ela, a arte, segue um trajeto perene de modificação positiva e enriquecedora para todos nós?

A resposta, me parece estar mais na nossa percepção subjetiva do mundo, do que na presunção de uma observação metodológica e real.

COMENTÁRIOS
  1. Segundo Giulio Carlo Argan, em ARTE MODERNA, a arte - como tudo no mundo - teve um princípio, um meio e está em vias ( isso nos anos 70 ) de um fim. "Tal como as mitologias pagãs, a alquimia, o feudalismo, o artesanato são finitos, a arte pode acabar. Mas ao paganismo sucedeu-se o cristianismo, à alquimia a ciência; ao feudalismo as monarquias e, depois, o Estado burguês, ao artesanato a indústria: o que pode suceder à arte?"
    - "Desde a Bauhaus muitos artistas se mostram prontos a aceitar um novo serviço social, de menor prestígio. Entenderam que o artista-gênio agora é inatual, como o poeta-vate; e que, para se reinserir na sociedade, deve aceitar o sacrifício de seu individualismo absoluto."
    Daí tanto esmerado abajur e jarro.
    E o futuro?
    -" A arte passará para a dimensão do inconsciente, em que poderá ser um profundo modo de agir."
    Como assim?
    - "Nada de quadros, estátuas, palácios, objetos preciosos, e sim grandes soluções urbanísticas, unidades habitacionais, objetos de uso cotidiano, a fotografia, a publicidade, o rádio e a televisão, o cartaz, o videoteipe."
    Hobsbawm seguiu a mesma pisada. Disse - ainda no século XX - que não há, mais, picassos e matisses e que Cem Anos de Solidão foi a última obra literária de consenso universal.
    Não penso assim. Kubrick, Bergman, Kleber Mendonça Filho, Jane Campion, Spielberg, Almodovar, Tarantino, no cinema ( uma forma "nova" de Arte ), me parecem tão grandes quanto os picassos, matisses e gabos do passado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É possível que ainda saia muito fumo na chaminé daquela casinha em cima da serra... quando o país dos cowboys apoderou-se do ocidente, a Arte virou, por um lado, antiquarismo e tanque de lavar dinheiro sujo de armas, mercenários e sonegações diversas, por outro, transformou-se num comboio acelerado em busca de mudanças novidadeiras que saciassem a goela do noticiário, da imprensa que se apossara desse e de outros assuntos. Uma carrilho descontrolado no rumo do abismo. Vamos aguardar mais um pouco. Os filósofos ocidentais, infelizmente, estão quase todos em cheque, atualmente.

      Excluir

leia também