Como é curto o tempo da inocência. E ficará cada vez mais difícil ser surpreendido por uma criança em um momento de lampejo poético, alg...

Os cachos dourados das borboletas

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana jorge elias neto olhar crianca observacao infantil filhos encanto
Como é curto o tempo da inocência. E ficará cada vez mais difícil ser surpreendido por uma criança em um momento de lampejo poético, algo apenas possível aos que começam a descobrir a linguagem. São tantas informações, imagens, mídias, que cada vez mais precocemente o vocabulário da criança é enriquecido, e isso ocorre na mesma velocidade em que se embota a espontaneidade – a inocência.

Subitamente uma criança diz algo, um simples comentário, tão inusitado e simples. Mas são estes os pequenos cristais capazes de revestir nossos dias com um pouco da beleza do infinito.

E não adianta pedir para a criança repetir, filmar com o celular e colocar no Youtube ... Perde-se a espontaneidade, já não está mais ali a imagem que fulgurou naquele cérebro tão jovem. Não, não é possível capturar em um vídeo esses momentos, eles só cabem no espaço destinado aos sentimentos que nos aproxima do divino – o espaço da poesia.

Esse tipo de situação foi feita para ser passada como fizeram nossos avós – no boca à boca mesmo.

É como o que o filho de uma amiga lhe disse após ela receber alta do CTI: “mãe, que bom que você não morreu. Você é tão quentinha”. Qual poeta, me arrisco a dizer talvez um Manuel Bandeira, poderia ser tão perfeito ao falar do amor de maneira tão singela e perfeita?

Quando diz isso, a criança não está sendo espirituosa, não é um chiste, ela está sendo autêntica e descrevendo uma experiência emocional. Isso é divinamente primitivo.

Foi o que aprendi com minha filha em uma manhã ensolarada de domingo. Ela acordou, coçou os olhinhos, olhou para a porta e disse: “A porta está amarela!” Uma porta, fenestras, claridade...Não foi isso o que viu aquela borboletinha de cachos dourados...

Ela surpreendeu o dia com sua visão multifacetada.

A criança sabe olhar com a imaginação; vislumbra o vôo sob o Sol da manhã. E, quando chegou a noite, ela recostou-se em mim e sussurrou manhosa: “ Pai, meus olhos estão encharcados de sono ...”.

comente
  1. Belíssimo texto...Jorge Elias Neto!!!
    Parabéns👊👊👊👊👊👊👊
    Realmente as crianças tem suas próprias manifestações de momentos ..e que aos pais é possível decodificar aquelas formas de linguagens!!!
    Paulo Roberto Rocha

    ResponderExcluir
  2. Agradeço os comentários.
    Bom final de semana para todos.

    ResponderExcluir

leia também