"Há tempos venho tentando achar um momento para dizer isso: você já me salvou de todas as maneiras que alguém pode ser salvo”. A tua ...

A suprema beleza do verbo

arte escrever deusa egipcia seshat sabedoria arte escrever
"Há tempos venho tentando achar um momento para dizer isso: você já me salvou de todas as maneiras que alguém pode ser salvo”. A tua mensagem brilha na tela do meu celular e ali, permanece, pulsando na exata batida do meu coração. Eu a contemplo com a respiração suspensa. Os fios invisíveis que unem humanos estão todos esticados.

Sinto temor e gratidão, alívio e esperança. E tenho vontade de te falar de uma antiga deusa egípcia, Seshat. O nome dela significa “a que escreve”, mas também atende por “Senhora da Casa dos Livros”, guardiã da Casa da Vida e amiga dos mortos. Não é curioso que os egípcios acreditassem que a deusa da escrita e da sabedoria esticava a corda no ritual para ajudar nos cálculos da construção de um novo templo? Não é fascinante que a deusa das letras também seja a dos construtores, pois transborda conhecimentos de astronomia e matemática? Percebes a suprema beleza do verbo a proteger
arte escrever deusa egipcia seshat sabedoria arte escrever
o fio da existência e a fazer ouvir a voz dos mortos pelos milênios afora, guardando-lhes a memória?

Tudo faz sentido. Literatura é elaborada construção – letras, números e berçários de estrelas; livros podem ser templos. A corda de Seshat também une escritores e leitores, um fio divino, trançado de fibras várias, impregnadas de força e sentimentos. Seshat e a literatura constroem mundos inteiros, gentes novas, jeitos de dizer coisas e histórias que pertencem ao oceano dos milênios. Aceleram as areias das ampulhetas e param os ponteiros dos relógios.

Seshat foi retratada vestida com pele de leopardo. Já pensaste na razão? Na minha mitologia particular, é a silenciosa simbologia da pele emprestada que veste os que escrevem; pele que remete a algo muito preciso, elegante e poderoso. Nas mãos e na cabeça, lápis e papiros, o livro futuro a pairar sobre a mente em febre.

Os livros – devo te contar – têm vida própria. Eles se intrometem na mente dos escritores, tomam posse de nós. Juramos que os controlamos, mas é o contrário. E, apesar do nosso caos pessoal, eles se organizam sozinhos, alimentando-se do líquido em nossas veias. De repente brotam, filhos recém-nascidos e já muito velhos. São nossos e são do mundo. O que vêm dizer aos homens talvez se resuma a uma pergunta: valerá a pena passar alguns anos na Terra se não for para fazer da vida um cântico ao amor e à imaginação? Tanto desamor há por aí, tanta aridez e arrogância a devorar os dias tão breves. Juntam-se a notícias, desejos, expectativas, ruídos do mundo. Por falar nisso, não achas que há ruído demais neste mundo? Sem mencionar os gritos dentro das nossas cabeças, ecoando a loucura alheia, perturbando o frágil equilíbrio que nos é caro.

Eu sinto saudade de tanta coisa, devo te confessar. Saudade de coisas simples e pequenas que fazem sorrir com a boca, os olhos e o corpo inteiro. Quando elas me faltam na vida concreta, escrevo. E todas as maravilhas acontecem no terreno do espírito, ao ritmo das palavras que se juntam.

arte escrever deusa egipcia seshat sabedoria arte escrever
Sempre escrevi para mim. Mas agora escrevo também para ti e para muitos outros. As palavras ganham asas (isso é tão grego!) e pousam aqui e ali, carregando os sentimentos. Eu as ofereço e as recebo, testemunhando todos os dias as maravilhas que fazem. Mas as vigio de perto, pois o lápis da deusa tem ponta de diamante – intenso brilho capaz de cortar paredes de vidro e rasgar a carne. Como toda deusa, Seshat é paradoxal – exigente e generosa.

Tudo isso escrevo para te dizer que a tua mensagem na tela do meu celular fez comigo a mesma mágica. Parecia a voz da minha mãe a dizer: eu te trouxe um bolo que acabou de sair do forno. Come, está quentinho ainda.

E agora só peço a Seshat que a minha escrita te abrace quando tudo desabar em torno de ti.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
SUA PARTICIPAÇÃO É IMPORTANTE. COMENTE!

leia também