Não há como tapar o Sol com a peneira. A velhice nos empurra para a síntese, para o essencial. Viver, simplesmente viver, respirar, é o...

Gonzaga: um pai para mim

gonzaga rodrigues cronica literatura paraibana
Não há como tapar o Sol com a peneira. A velhice nos empurra para a síntese, para o essencial. Viver, simplesmente viver, respirar, é o que importa. Alguns velhos acham que tudo já foi visto, que tudo já foi dito, e que não se deve perder mais tempo com as coisas do mundo. É o momento do “silêncio das línguas cansadas”, na expressão do compositor Zé Rodrix, em uma de suas belas canções – Casa no campo.

Mas a velhice tem lembrança farta. E vasculhar a memória de tantos anos parece ser algo que retira o velho da prostração, do desânimo, daquela “interminável espera” que --todos sabem- um dia acaba.

A. David Diniz
Estou ‘posto em sossego’, numa manhã ensolarada de Maio, quando recebo o convite de Martinho Moreira Franco para escrever algo sobre Gonzaga Rodrigues, que, para felicidade geral da Nação Tabajara, completava 80 anos em 21 de junho.

Primeiro impacto: Gonzaga completando 80 anos! Teria que falar de sua volta ao mundo em 80 anos? Não teria fôlego para tanta História. Então, resolvo falar do Homem Gonzaga, espécie de farol para uma banda da Paraíba.

Martinho desliga e começa o ‘flashback’. Conheci Gonzaga ainda garoto, na Assembléia da praça Aristides Lobo, suponho que no começo dos anos 60. Foi assim: o jornalista sai do gabinete do deputado Chico Souto, meu tio. Entro em seguida, e aí vem a apresentação do velho Chico: “Esse senhor que acaba de sair é meu grande amigo, uma das inteligências da Paraíba”. Daí, não perdi mais Gonzaga de vista, entrei na plateia do grande jornalista e escritor.

A. David Diniz
Trabalhamos juntos na velha Cinep de guerra. Mais perto dele, pude perceber o tamanho de sua grandeza. O que posso dizer sobre Gonzaga a essa altura da vida? Direto ao assunto: é um pai para mim. Da escolha da palavra certa à valorização do silêncio, tudo ele me repassou com a generosidade que os pais reservam aos filhos. E é com emoção de filho que celebro os 80 anos de Gonzaga Rodrigues.
Nota do autor - Crônica publicada no Correio das Artes, nas celebrações dos 8O anos do jornalista e escritor Gonzaga Rodrigues.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
  1. Muito se tem a dizer do nosso Gonzaga.
    São as lembranças mais variadas, dependendo da área onde se situa o interlocutor, como este escriba, aluno que foi da "Universidade de A União", onde ele pontificava como um de seus catedráticos.
    Sem sombras de dúvidas, a Paraíba cultural muito deve a esse confrade, que os tempos modernos nos priva de exercer o carinho que lhe tínhamos e temos, manifestado por um apelido com apenas um único significado: afeição.

    ResponderExcluir

leia também