A verdade é que o homem, que já não sabe mais conviver com o semelhante, não conhece mais os sinais da natureza. Pior: perdeu completa...

Sinais da Natureza

ecologia mar lixo invasao meio ambiente
A verdade é que o homem, que já não sabe mais conviver com o semelhante, não conhece mais os sinais da natureza. Pior: perdeu completamente a capacidade de dialogar com ela. Pouca gente dá importância a coisas como a direção dos ventos, as fases da Lua, a posição do Sol, as estações do ano, as marés, as correntes marítimas. Para muitos jovens, solstício e equinócio são palavrões ou nomes de remédios para emagrecer.

ecologia mar lixo invasao meio ambiente
B. Yurasits
Anda-se de lancha e jet-ski sem saber o que é o mar. Em nome do conforto e da modernidade são cometidas atrocidades, em muitos casos por absoluta ignorância do predador. Sem querer dar uma de profeta do caos, não há mais dúvida: nosso futuro será cinzento.

Puxando o assunto para o nosso sítio, João Pessoa, o ideal seria que as autoridades pensassem mil vezes antes de permitir a ocupação da beira-mar. A beira-mar é o lugar menos indicado para se instalar palcos, arenas, bares, barracas, quaisquer estruturas, mesmo que removíveis. A gente observa que não é o mar que avança sobre o continente. É o homem que agride e invade o mar de forma cada vez mais irresponsável e descontrolada.

Caminhar à noite ou de manhã cedo nas areias de Tambaú e Cabo Branco é um suplício para quem ainda se sensibiliza com o sofrimento dos animais marinhos que dependem das praias urbanas para sobreviver. O desrespeito ao mar está em toda parte. Encontramos tudo, tudo mesmo. De peixes mortos por tentar comer material plástico a corpos estranhos que provocam ferimentos.

ecologia mar lixo invasao meio ambiente
N. Jensen
Dentro do mar, a barreira de corais existente em nosso litoral, da qual fazem parte Areia Vermelha, Picãozinho e as “piscinas” do Seixas, está agonizando. Embora protegida pela ONU, a barreira natural que torna as praias da Paraíba artigos de luxo está se deteriorando rapidamente.

Poucos se incomodam com os sinais emitidos pela morte lenta do Cabo Branco. Dá para desconfiar de que os paraibanos só vão começar a se preocupar com o assunto quando o mar destruir totalmente o asfalto e alguns imóveis da primeira avenida.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
  1. Reflexão necessária para a atualidade . Hoje o ser humano não consegue enxergar sua dependência da natureza .

    ResponderExcluir
  2. E isto mesmo, caro Petrônio.
    Somos vozes a bradar no deserto.
    Como velho "praieiro" - título do qual me orgulho, pois o conquistei na vida vivida em uma convivência de mais de 70, disse 'setenta', anos com a praia de Tambaú e suas vizinhas, Penha, Intermares, Poço, Camboinha e Ponta de Matos, que eram paraísos.
    Nessa época, as praias eram fiscalizadas, digamos "administradas" por capatazes, que não eram nada mais que os remanescentes de figura criada pela Marinha, durante a guerra de '45, para coordenar pescadores e assemelhados, no serviço de vigilância dessas áreas.
    Tambaú era fiscalizada por Chico Paulino, que operava um estaleiro e ponto de apoio aos pescadores da Colônia Z-3, onde hoje está o monstrengo Hotel Tambaú.
    E tudo, agora, são reminiscências.

    ResponderExcluir

leia também