Na antiga Vila de Batalhão, um cavaleiro andante iniciou uma viagem sem volta. Ancorado em seus oitenta e oito anos intensamente vividos, ...

Balduíno Honoris Causa

ambiente de leitura carlos romero cronica conto poesia narrativa pauta cultural literatura paraibana balduino lelis pedra inga itacoatiara thomas bruno oliveira cariri
Na antiga Vila de Batalhão, um cavaleiro andante iniciou uma viagem sem volta. Ancorado em seus oitenta e oito anos intensamente vividos, foi um baluarte da cultura, um semeador das coisas e das criaturas, uma genial mente pulsante que transcendia o mundo natural e o tempo. Um construtor de sonhos, um visionário dos saberes, dos fazeres. Um topógrafo das artes que sabia reconhecer e valorizar a riqueza das coisas mais simples na cartografia de nossos traços culturais, transformando-os em pedra de toque na criação de casas de memória, verdadeiros palcos sublimes eternizando nossas raízes.

Estou falando do querido amigo Balduíno Lélis de Farias, que se encantou na última segunda-feira (21/12) em Taperoá. A onça caetana de Ariano Suassuna o libertou do sofrimento que vinha passando e, aos cuidados de seus familiares, partiu de casa, do seu reinado encantado e enigmático.

Em vida foi um visionário em tudo que fez, ganhou o codinome de ‘Senhor dos Museus’ por Machado Bitencourt por ter criado uma série de casas de memória do litoral ao sertão, com grande destaque para o Museu Zoobotânico Arruda Câmara, na capital João Pessoa e sua homérica busca de uma onça lá no Maranhão, que veio consigo no carro. Sua genialidade esteve impressa em inúmeros projetos de pesquisa que desenvolveu e na arqueologia encontrou no velho León Clerot uma companhia e um mestre, desenvolveu pesquisas relevantes e bancou inclusive a vinda de uma equipe do Museu Nacional para uma escavação na Paraíba em uma época totalmente distinta em que os estudos em arqueologia eram muito incipientes. Essa é uma prova cabal de seu desprendimento e crença na ciência como mola propulsora de desenvolvimento.

Agora, para mim, a página mais bela de sua vida é a criação da Universidade Leiga do Trabalho, a ULT, em 1987. Um verdadeiro centro de educação e cultura onde são extremamente valorizados os ofícios tradicionais em um processo de construção coletiva do saber possibilitando que os habitantes de todo o Mundo-Sertão pudessem viver com dignidade em sua terra sem ser preciso seguir a famosa diáspora para o sul do país. Ali estive muitas vezes e vi seus olhos brilharem sempre que mostrava a estrutura, as novidades, seus sonhos e seu gosto pelos Cariris Velhos, entremeado de conhecimento, história, misticismo e cumplicidade com a rusticidade da caatinga brava, com os caminhos antigos de vaqueiros e com a aura dantesca dos sertões.

Conheci Balduíno em 2005. Um de meus primeiros passos na faculdade foi me dedicar a paixão pela arqueologia e isso fez me aproximar desse intelectual tão reconhecido e tão incompreendido de nossa Paraíba. Foi um dia todo juntos e na oportunidade ele me presenteou com um seixo rolado com a letra T gravada à cinzel: "T de Taperoá, T de Thomas. Tome, essa pedra é sua!". Esse foi o presente que Balduíno me deu na primeira das muitas visitas que fiz. Homem sábio, amigo, extremamente simples e terno, uma baraúna de nosso Cariri. Ele partiu e será mais uma estrela a brilhar no Mundo-Sertão, fazendo companhia a Manelito, Pedro Nunes, Ariano Suassuna e muitos caririzeiros amigos da maior estirpe.

No último sábado, ao ver no feicibuque um retrato de Beatriz, sua filha, conversei longamente com o amigo Marco di Aurélio sobre a situação de nosso amigo. Há tempos que tentamos (ele junto a UFPB, eu junto a UEPB) conseguir um título de Dr. Honoris Causa para ele, uma homenagem importante, um reconhecimento que a Paraíba deve a ele por tudo que fez e, infelizmente, a burocracia não nos favoreceu.
Foi quando botei na mente que minha próxima crônica semanal no jornal A União seria "Balduíno Honoris Causa", uma homenagem ao velho e querido amigo. Nem imaginava que ao chegar na segunda ele se encantaria, e bem ao seu modo: uma data palíndroma 21/12, e idade também palíndroma aos 88 anos e ainda mais no solstício de verão, no exato dia do alinhamento de Júpiter com Saturno, ocorrido antes no longínquo ano de 1623. Lembrei dos múltiplos de 3 que ele sempre me afirmou onde estão escondidos os segredos da Pedra do Ingá e estou certo que vai demorar muito para termos uma pessoa tão ativa, visionária, genial e a frente do seu tempo como Balduíno Lélis. O ano que parte, 2020, é bastante emblemático, não tivemos a chance de velá-lo como merecia; ano que nos levou tanta gente, da Carnaúba partiu Manelito, em novembro foi a vez de Luiz Galdino, outro intelectual amante da arqueologia e da Pedra do Ingá. Ano difícil de engolir.

Tudo fica menor, os Cariris Velhos perdem um defensor, a Paraíba perde um mentor cultural e espiritual, perdemos todos, ficamos órfãos de um pensamento genuíno e atitudes contra os inimigos da natureza e da cultura, um Dom Quixote dos sertões, um baluarte de nossa terra. Seu legado e exemplo são estandartes, saibamos valorizar.

Os Cariri, nação indígena que tanto estudou, acreditava sempre que na partida de alguém tão especial nasceria uma estrela. Balduíno é essa estrela, de Belém, que em meio ao alinhamento de planetas e a um mundo que não lhe deu o devido valor, brilhará para sempre no céu do Mundo-Sertão.


comente via facebook
COMENTE
  1. Valorosa homenagem. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Boa lembrança.
    Infelizmente o nosso Balduíno é um dos muitos paraibanos esquecidos em sua própria terra.
    Pouco mais novo do que Balduíno, tive a grata oportunidade de conviver com ele, em alguns instantes em que nossas vidas se encontraram, vivenciando, acontecências culturais, na maioria dessas vezes, de sua lavra.
    Com essa perda, não resta a menor dúvida do empobrecimento de nossa terra.

    ResponderExcluir
  3. É muito difícil falar da perda de quem se ama! Ainda mais quando essa perda é um pai! E muito mais quando esse pai é Balduíno Lélis!
    Falar de meu pai é invocar o mundo dos seus sonhos, das suas idéias, das suas quimeras e ilusões! É falar de Taperoá, a sua pátria amada, a terra que ele chamou de Céu! A menina dos seus olhos! E que defendia seu povo quando dizia que os filhos da sua terra não tinha defeitos pois ele tirava e colocava no povo de outras cidades.
    Meu pai era um homem corajoso, destemido, determinado e ao mesmo tempo, um ser humano coberto de ternura e feito de amor! Um homem que doou toda riqueza material para àqueles que precisavam pois para ele a maior riqueza era o amor ao próximo.
    Jamais esqueceremos a lucidez dos seus conselhos, o consolo dos seus braços, o afago de suas mãos e a grandeza de sua alma!
    Meu pai partiu, mas não passará! Não passará o seu talento, a sua sabedoria, o seu exemplo, o seu legado e o amor que irradiava sobre nós!
    Como é triste a realidade da partida e como dói a crudelidade da despedida!
    Mas tudo é lembrança boa, tudo é saudade doce! Por isso continuaremos a inalar sua essência, a beber na fonte da sua sabedoria e a colher os frutos dos seus ensinamentos! Levaremos o seu sonho adiante e todos seus filhos juntos em nosso castelo o qual nos criastes nascerá a Fundação Balduíno Lélis e nela se concretizará os seus sonhos que o tempo impediu de realizar!
    Lembro quando dizias : É melhor viver de ilusões do que morrer de desilusões" Ou quando dizias " Não peça a quem não quer dar e nem dê a quem não quer receber'
    Para nós você é imortal! Você vive e sempre viverá, no encantamento da história que você mesmo construiu! Você vive e viverá em tudo que nos ensinou! Você vive e viverá, no nosso orgulho em tê-lo como pai e mestre! Você vive e eternamente viverá, no nosso coração, na nossa memória, na nossa alma e nos nossos sentimentos mais nobres! Você vive, porque nada conseguirá lhe tirar de nós! E como o senhor mesmo dizia " Eu não vou morrer, eu vou ficar em Taperoá" Esteja em paz meu paizinho!

    ResponderExcluir

leia também