Mostrando postagens com marcador Clóvis Roberto. Mostrar todas as postagens

A água escorria pela biqueira após chocar-se com força no teto e escorregar pelo leito das telhas. Era um chuveiro de alegria que deslizav...

agua natureza poesia contemplacao chuva
A água escorria pela biqueira após chocar-se com força no teto e escorregar pelo leito das telhas. Era um chuveiro de alegria que deslizava pela lateral da casa. E seguia trazendo felicidades ao encontrar o elemento terra. Aliás, presenteava-a com perfume, a fragrância terra molhada, gosto de infância.

Pela janela entreaberta vê-se o céu mudar. Da clareza do verão, passe-se a anuviada temporada das chuvas, o que chamam invernada. Dos tem...

Pela janela entreaberta vê-se o céu mudar. Da clareza do verão, passe-se a anuviada temporada das chuvas, o que chamam invernada. Dos tempos das árvores em nudez profunda cujas vestes foram removidas pelos ventos, que parecem fechar-se ao serem expostas, corre-se para mais adiante uma explosão de cores e cantos, uma algazarra de vida. A passagem visual é o reconhecer do relógio do tempo em efeito prático.

Quando o dente rasga a pele da fruta e penetra a macia carne, seja do jambo e sua roxidez sensual, do caju com o suculento desejo na pel...

sabor frutas degustar  cronica poesia
Quando o dente rasga a pele da fruta e penetra a macia carne, seja do jambo e sua roxidez sensual, do caju com o suculento desejo na pele amarela ou vermelha, o roseado íntimo da goiaba, a mente se transporta. É a mordida no corpo amado, o alimentar-se do outro ser, sugar e transferir energia, conexão. Os olhos fecham-se e transportam à boca o sentido de mais sentir.

Quem nasce desastrado tende a seguir assim. Então, o que rendeu um crônica meio que autobiográfica necessita de atualização e rememoriz...

cronica desajeitado desastrado mancadas
Quem nasce desastrado tende a seguir assim. Então, o que rendeu um crônica meio que autobiográfica necessita de atualização e rememorização dos fatos. Após o estrondoso sucesso do epsódio um, quando foram revelados acontecimentos como o celular voador pela janela do carro e a faca saltitante e um quase "autosuicídio" (licença poética ao extremo gente!), agora o amigo desastrado surge em novas aventuras (ou desventuras).

As ladeiras têm sentidos próprios, conexões entre si. É como possuir algo mágico, o poder de capturar a história, de contar inúmeras histó...

As ladeiras têm sentidos próprios, conexões entre si. É como possuir algo mágico, o poder de capturar a história, de contar inúmeras histórias. E elas são muitas por esses brasis da vida. Inclinações que testemunharam invasões, batalhas, sacrifícios, martírios, vida e morte, honra e destruição. Oh ladeiras cujos paralelepípedos viveram ao longo de séculos a presença de herois e vilões de muitas raças. Quando ainda sem pavimento sentiram na própria terra o pulsar do país que começava a ser construído e cuja obra segue inacabada, como pele de testemunha das idas e vindas humanas.

Se João Pessoa possui poucas ladeiras, ainda assim podemos citar as de São Francisco e da Borborema. Acesso do berço de nascimento da cidade, o Porto do Capim, ao topo da elevação onde hoje existe a Catedral Basílica de Nossa Senhora das Neves, as duas ladeiras desafiam o vigor físico dos pedestres e guardam muito da história paraibana.

Na ladeira de São Francisco, um pouco após a sua metade, estrategicamente, foi erguida da Casa da Pólvora. Era o paiol das armas, das munições da antiguidade, atualmente celeiro de cultura. Hoje a calmaria do local disfarça os caóticos momentos de batalhas. Pólvora, tiros, sangue, morte... Portugueses, holandeses, escravizados africanos, locais das três raças e muitas misturas. Do alto, a visão do entardecer a jogar ouro na cidade baixa. Percurso paralelo faz a ladeira da Borborema, após surge do encontro com a Rua da Areia.

Ladeiras tão antigas quanto as famosas elevações de outro ouro, pontilhadas por igrejas da velha e magnífica Vila Rica do passado, a Ouro Preto. A cidade mineira dos inconfidentes, da luta pela independència, sufocada por forcas e esquartejamentos. Da Praça Tiradentes elas despontam. Nessas ladeiras mineiras repousam os ideias de liberdade individual e coletiva. Lá, elas foram criadas como acessos entre as ruas históricas encravadas pela busca do ouro das montanhas das Minas Gerais. Por ali, muitos passaram ora como senhores, ora como escravizados. Uns tantos encontraram o fim sobre o platô no Morro da Forca, sombrio lugar de belo nascer e por do sol. Pelos arredores, ladeiras que levam a muitas igrejas.

Conterrâneas de lutas são as ladeiras de Olinda. Passarelas de carnavais, serpenteiam pela velha cidade pernambucana. Conexões de tempos, ladeiras de multidões e solidões, dos blocos e bares, da pitombeira e seus quatro cantos, do Alto da Sé e sua ladeira a despejar azuis de céus e do mar. Local estratégico que domina os arrecifes e as terras baixas. Uma das mais famosas e íngrimes é a Ladeira da Misericórdia, acesso à Igreja e ao Hospital da Santa Casa da Misericórdia. “Ó linda!” Por onde surgem bonecos gigantes com vida. Desfiles diversos da alegria do frevo precedido pelas lutas do país nada pacífico de colônia, império e república.

Ladeiras como as seculares de São Salvador, a primeira capital brasileira. Construída numa elevação por questões de segurança, a fortificada cidade viu surgir caminhos íngremes a trazer para o alto víveres e humanos desembarcados dos navios. Aí surge a Ladeira da Preguiça, uma das três mais antigas da cidade. E ainda tem as da Conceição, Misricórdia, Montanha, Curuzu, Aflitos e tantas outras. Subidas e descidas na formação nacional da mistura da Bahia tão nobre ao Brasil.

E tome ladeira! O esforço físico para percorrê-las é maior, vencer os aclives/declives exige resistência, atenção redobrada. Porém, as ladeiras históricas merecem um olhar mais atento, carinhoso do visitante. São páginas da nossa história que guardam beleza singular. Se a subida é um desafio, como diz o dito popular: “Para descer todo santo ajuda”.

Gavetas saem da parede, armazenam letras de blues, blusas e pequenos aparelhos de jantar, feito casinhas de crianças. Ao lado, quadros e...

Gavetas saem da parede, armazenam letras de blues, blusas e pequenos aparelhos de jantar, feito casinhas de crianças. Ao lado, quadros e uma placa de carro caída numa noite torrencial quando os céus desabaram num aguaceiro. Ela seria um futuro número da sorte? Em outro ponto, o candeeiro pende sem iluminar. E se vê espalhados jarros e plantas e o aroma de um incenso raro trazido à margem de um rio distante. Era feito beijo de hortelã que os lábios pediam.

Redemoinhos de poeira puxam o ar quente no meio da estrada sertaneja, iguais aos mesmos giradouros aquáticos que criam abismos na água no ...

redemoinho destruicao preservacao vazio existencial esperanca
Redemoinhos de poeira puxam o ar quente no meio da estrada sertaneja, iguais aos mesmos giradouros aquáticos que criam abismos na água no meio da correnteza do rio. E ambos arrastam para o seu centro seres e os transformavam em semelhantes, afogados sem lanternas, dispostos no mesmo vazio. Rajada de vento na terra, braços secos sem a doce água em agitação. Impossível segurar em galhos ou sonhos o ar disperso nas temperaturas infernais ou no líquido a girar feito liquidificador.

A noite cai como uma lâmina fria para os tipos esquecidos. A máquina de produzir sonhos agora tem a função decorativa, não é mais ser viv...

solidao esquecimento sombras noite
A noite cai como uma lâmina fria para os tipos esquecidos. A máquina de produzir sonhos agora tem a função decorativa, não é mais ser vivo, pulsante, que firma opinião, gera documento, contribui, conta e marca a história. Os tipos esquecidos se perdem no tempo, nos espaços. A caixa onde eram zelosamente armazenados está vazia, corroída pela ferrugem. Seu próprio coração esvaziou. Dali já não sai mais a soma da transformação das letras em palavra, frases, parágrafos, páginas.

      Decifração de gotas A nuvem escreveu com água e "enchuvou" a janela frases aleatórias pingadas nas telhas ao longe,...

flor ceu poesia mar rio clovis roberto
 
 
 
Decifração de gotas
A nuvem escreveu com água e "enchuvou" a janela frases aleatórias pingadas nas telhas ao longe, embaços desuniformam pessoas e o mundo antecipa a noite em pleno dia avante decifrações ditas pelas meras gotículas que em código relata: não é tempo ainda de invernada mas é bem-vinda a quase chuva inesperada dota clima diferente por estas temporadas

Novo e de odor suave, antigo de muitos aromas armazenados pelo tempo... Livros físicos são tipo frascos de perfumes. Uma estante cheia de...

Novo e de odor suave, antigo de muitos aromas armazenados pelo tempo... Livros físicos são tipo frascos de perfumes. Uma estante cheia de fragrâncias variadas. É possível sentir a história, interpretar os cheiros, embriagar-se com cada sensação da leitura. Tramas, personagens, capas, tipos gráficos, impressões, tudo se mistura na bagagem que o leitor domina com as mãos, acaricia com os olhos, mergulha com a mente e deixa penetrar-se na alma.

Não há seringueiras na Rua das Seringueiras, assim como não existem imburanas na Rua das Imburanas ou pinheiros na via batizada com o nome...

nome de rua bucolismo cotidiano urbano cronica
Não há seringueiras na Rua das Seringueiras, assim como não existem imburanas na Rua das Imburanas ou pinheiros na via batizada com o nome da árvore simbólica do Natal. A exceção deve ser as castanholas na Rua das Castanholas, já que essas plantas parecem se adequar a qualquer espaço pelas vias da cidade.

Uma pena não encontrar as belas cerejeiras no logradouro que homenageia a planta símbolo do Japão. Decepcionante também não descobrir um lugar cheio de flores na Rua das Flores. Afora o nome poético, a foto revela um lugar comum.

Sentado do alto da pequena colina pescava vazios espalhados à sua frente. Nos espaços da tela em branco, ia preenchendo com paisagens. In...

literatura paraibana centro historico joao pessoa porto capim cronica poesia
Sentado do alto da pequena colina pescava vazios espalhados à sua frente. Nos espaços da tela em branco, ia preenchendo com paisagens. Inicialmente, rabiscou as águas pelo terreno em movimento contínuo, uma lenta procissão com seu tom escuro, pinceladas de ouro e prata a variar o reflexos vindos do céu. Era o largo rio.

Às margens, rápidos toques deram vida a uma vegetação de características próprias, cujas raízes desciam à terra abaixo da lama e da água, conhecedora do fluxo e refluxo das marés, batizada de manguezal. Verdes variados ao longo do dia.

Sento, ajusto o corpo, explico como será o corte, o estilo, o formato. A cadeira é reclinável; confortável. É só fazer as orientações bás...

literatura paraibana barbeiro corte cabelo salao beleza
Sento, ajusto o corpo, explico como será o corte, o estilo, o formato. A cadeira é reclinável; confortável. É só fazer as orientações básicas, fechar os olhos, relaxar e deixar o profissional das tesouras e outros instrumentos agir. Quero aproveitar o silêncio do salão, interrompido por uma leve música que toca baixinha, saída de uma caixinha estrategicamente instalada em algum esconderijo no ambiente. O estilo, algo tipo de blues/jazz/reggae. Tudo praticamente perfeito.

O barbeiro mal inicia sua missão e eu, paralelamente, quase começo uma soneca. E parto, momentaneamente, para outras paragens, outros tempos, outros corpos. Mas, o silêncio é interrompido. Existem clientes e... certos tipos de clientes.

Pego o pincel à procura de uma tela. Para um pintor com dotes para lá distantes dos de um Monet, um Van Gogh ou um Dalí, repasso na mente ...

literatura paraibana nostalgia capital joao pessoa centro historico praias arquitetura
Pego o pincel à procura de uma tela. Para um pintor com dotes para lá distantes dos de um Monet, um Van Gogh ou um Dalí, repasso na mente imagens e reconstruo cenários da eterna cidade Parahyba. De repente, visito a Lagoa como uma página de um caderno de colorir. Parece-me alguma cena entre janeiro/dezembro, meio ano findo e tempo novo, sem chuvas, um espaço para serem derramadas diversas cores, cheiros e sabores.

As folhas das castanholas formam um tapete de cor terral quebradiço pela calçada, pela grama. Caem no final do inverno como um outono às a...

literatura paraibana psicodelismo pink floyd rock raul seixas
As folhas das castanholas formam um tapete de cor terral quebradiço pela calçada, pela grama. Caem no final do inverno como um outono às avessas, às vésperas da primavera. Nos troncos dessas grandes árvores não encontramos as dezenas de soldadinhos amontoados de outrora. E questiono mentalmente para onde teriam ido nos últimos meses. O que fez com que levantassem acampamento e partissem? Só o banco de concreto permanece com seu testemunho alheio e frio,

No meio da manhã as lágrimas da noite chuvosa já haviam secado na praça. O vento espiçava com força suave seus tentáculos fortes e invisív...

literatura paraibana viagem ze ramalho poesia cronica sertao
No meio da manhã as lágrimas da noite chuvosa já haviam secado na praça. O vento espiçava com força suave seus tentáculos fortes e invisíveis sobre a grama, os balanços, os bancos de pedra e os galhos das mais altas árvores. No mais, era o silêncio. Uma paz ruidosa que se fazia presente em embalagens plásticas que rolavam sobre a calçada de cimento, nas folhas arrastadas aqui e acolá, no motor a impulsionar um veículo distante que se afastava cada vez mais até se perder do alcance dos ouvidos. E tão importante, a tranquilidade poderosa da voz do rádio a cantar mitologias, sertões, filosofias, pulsações. Zé Ramalho evocando deuses, mitos e sonhos delirantes e reais de Brejo do Cruz, do mundo anterior e interior em expansão.

'O mundo tem fome de amor'. Parece clichê, mas é realidade". A poetisa Milfa Valério define com maestria o que mais se preci...

literatura paraibana amor paixao fome amor alimento
'O mundo tem fome de amor'. Parece clichê, mas é realidade". A poetisa Milfa Valério define com maestria o que mais se precisa. A necessidade de amor está a todo momento gritando nos ouvidos das pessoas, mesmo que elas não se dêem conta disso. E esse vazio que parte do coração, passa pelo estômago, atinge todas as células e a subjetividade de pensamentos humanos de todo o sempre. Sim, provavelmente, esfomeado de amor já era o Homem de Neandertal quando andava caçando com o seu estereotipado porrete aos ombros a esmagar animais/alimento e arrastá-los para sua caverna.

Nos últimos dias eu tenho me sentido olímpico, quase um deus atleta grego desgarrado, sem a imortalidade, exceto a efêmera eternidade do i...

literatura paraibana olimpiadas sonho olimpico medalha poesia
Nos últimos dias eu tenho me sentido olímpico, quase um deus atleta grego desgarrado, sem a imortalidade, exceto a efêmera eternidade do instante marcado na memória, do segundo mágico perdido em algum momento das décadas já vividas. Moderno e antiquado ao mesmo tempo, feito os atletas que aparecem de calções enormes em filmes preto e branco com imagens céleres e, ainda assim, ligado às ultras câmeras dos celulares da última geração já em vias de seres substituídas, pré-obsoletas em sua modernidade.

Eu sou mais um entre os 12 deuses gregos e milhares de atletas de toda a humanidade. E o motivo: eu sei sonhar. No filme mudo da mente, repriso as competições mais acirradas das corridas, saltos e jogos desde a infância. Sim, eu ajudo a construir vitórias, pois percebo que ainda sou um corredor, saltador, ginasta e jogador.

O garoto ali postado na memória é um arremessador de sonhos, sacador de desejos, marcador de sorrisos, saltador de possibilidades. Olímpico aventureiro diário, que se materializa nas disputas em ciclos de quadriênios. Ele é capaz de sorrir e chorar com as vitórias e derrotas e muito mais ainda com as histórias de cada guerreiro armado com o corpo, bolas, raquetes, arcos, lutas, pesos e sapatilhas.

Os campos olímpicos se materializam em campinhos de terra batida, quadras de piso de cimento crespo, muros feitos de blocos de tijolos que serviam de traves para se equilibrar, obstáculos em formato de muretas, pedras arremessadas como discos, dardos ou martelos.

Sopra, assim como antes, o vento no rosto e nos cabelos, que acaricia a fronte do deus mortal do garoto da esquina, dos deuses eternos do Olimpo e dos inesquecíveis atletas dos jogos apresentado hoje em telas de TVs de modelos que se ajustam a cada quatro anos ou às fotografias e filmes raros de competições esquisitas ou conhecidas.

A camisa suada, os pés descalços e a linha de chegada não tão bem definida. O pódio, esse mero detalhe ansiosamente sonhado por muitos, é só uma questão de percepção. O que conta no íntimo é ser "o mais rápido, o mais alto, o mais forte" de si mesmo. Parafraseando Mahatma Gandhi, a medalha da alegria "está na luta, na tentativa, no sofrimento envolvido e não na vitória propriamente dita". O que é a vitória senão o fato de se estar bem consigo próprio.

Trago notícias de uma flor. Um pequeno bilhete rabiscado numa folha frágil e multicolorida, escrito com uma caneta de cor verde, entregue ...

literatura paraibana poesia cronica flores cronica clovis roberto
Trago notícias de uma flor. Um pequeno bilhete rabiscado numa folha frágil e multicolorida, escrito com uma caneta de cor verde, entregue a mim numa quase manhã quando o Sol começava a dividir um pouco do seu calor com os corpos dos animais humanos recém despertos, enxugava as lágrimas orvalhadas dos galhos de árvores e ramos de arbustos e de outras flores, oferecia um aroma que invadia suavemente o novo dia.

Enquanto a música, ecoando ao longe de uma caixinha de som, dava o ritmo suave e pássaros assanhavam em algazarra festiva os galhos das á...

literatura paraibana crepusculo nostalgia urbana cotidiano clovis roberto
Enquanto a música, ecoando ao longe de uma caixinha de som, dava o ritmo suave e pássaros assanhavam em algazarra festiva os galhos das árvores na praça; em fim de tarde o mar cheio sacudia batidas de tambores como rajadas de fogos de artifício e a cidade se iluminava de escuro em pequenos pontos piscantes. No horizonte, fronteira dos sonhadores e limite dos terraplantados, a chuva cerrava fileiras para banhar a noite que chegava. "No dia em que fui mais feliz" no rádio do carro, mais um lembrete da efêmera vida, que é preciso construir felicidades.