A princípio, o cenário nos remonta a algumas cidades históricas do interior do Brasil. Não as do tempo atual, mas de um passado distante....

O romantismo desenhado

gotland suecia mar baltico escandinavia visby
A princípio, o cenário nos remonta a algumas cidades históricas do interior do Brasil. Não as do tempo atual, mas de um passado distante. O traçado urbano, o lirismo das fachadas, a tranquilidade de outrora, a sensação de paz e segurança, todas as emoções que convergem em busca de um tempo perdido.

gotland suecia mar baltico escandinavia visby
Mas, em Visby, na Suécia, esse tempo está muito longe de se perder. Lá só se tem a ganhar. A arquitetura inserida na melhor posição de um relevo enriquecido pelo privilégio de estar às margens do Mar Báltico se associa à originalidade dos ladrilhos que pavimentam suas ruas sinuosas e enladeiradas. E que arquitetura! Fachadas se sucedem tal qual colcheias em uma partitura de uma sonata barroca, variando cores e desenhos, numa multiplicidade encantadora, entrelaçadas pela mais pura harmonia.

E o encanto se estende às janelas, contornadas por molduras de diversos tons e formas, debruçadas sobre parapeitos, externos e internos, adornados com elevadas doses daquele romantismo peculiar a quem tem a arte correndo nas veias do corpo e no brilho da aura. Se ousarmos um olhar que se adentre à intimidade dos seus lares, vê-se, sem supresa, que a poesia se imanta nos ambientes cheios de vida, paz e o silêncio acolhedor, hoje cada vez mais raro, inexistente em cidades que dele não cuidam.

Nos jardins, o bom gosto não poderia ser diferente. E vai da seleção das flores ao desenho dos canteiros, dos tipos de vasos à composição, idem harmônica, que inclui até utensílios e bicicletas, que dormem ao relento, livres e soltas.

gotland suecia mar baltico escandinavia visby
gotland suecia mar baltico escandinavia visby
gotland suecia mar baltico escandinavia visby
Visby é assim, um exemplo de arquitetura pelo mundo poucas vezes encontrados e restrito às pequenas cidades, onde ainda se cultivam hábitos sadios e pautados em princípios de bom gosto e cidadania. Quisera seus cenários não se percam na nostalgia de um bucólico passado e sejam mantidos, como os carteiros de bicicleta que vimos, não tão longe no tempo, pelas vielas de Provins, pertinho de Paris...

gotland suecia mar baltico escandinavia visby
gotland suecia mar baltico escandinavia visby
gotland suecia mar baltico escandinavia visby

Para completar o visual que estampa o background paisagístico de Visby, esta pérola da ilha Gotland, nada mais do que o belo e sereno Mar Báltico, que oferece aos seus moradores, todas as tardes, e no verão às 10 da noite, monumentais crepúsculos de encher a vista e a alma com a grata lembrança dos tempos idos. Visby é assim.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO
  1. Mercedes (Pepita) Pessoa Cavalcanti4/2/22 22:39

    Texto que fala da pulcridade dos tempos idos que, como num túnel do tempo, presentifica-se em Visby. Para além do Barroco brasileiro, saltam janelas "cutcut", incrustadas no alto, formando "casinhas" a brotarem dos simpáticos telhados. Espelho, espelho meu, existe alguma paisagem mais idílica??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Pepita. Lá também as flores andam, como você

      Excluir
  2. " Fachadas se sucedem tal qual colcheias em uma partitura de uma sonata barroca". Beleza pura!

    ResponderExcluir
  3. Aulas de uma disciplina que bem poderíamos chamar de "geografia romântica".

    ResponderExcluir
  4. Ângela Bezerra de Castro9/2/22 13:47

    Adorei Visby, levada pelo olhar de sua sensibilidade. Tanta beleza, tanto romantismo que parece inventada. Tenho uma Visby na memória e no coração. Não é europeia, por isso não tem a tradição cultural que você ressalta com tanto lirismo. Mas está situada numa serra verde, de clima ameno, onde não falta a beleza das dálias, das acácias, das rainhas do prado e dos flamboyants. Araruna da minha infância, que anda comigo como aquele sítio que Gonzaga imortalizou em sua crônica. Ainda é lá que me abrigo, quando preciso fugir da dor. Lá onde tudo era certeza e acolhimento. E ninguém estava morto...

    ResponderExcluir

leia também